Agência da ONU calcula que 4 mil sírios fugiram para o Líbano

De acordo com a Acnur, grande parte das pessoas que cruzou a fronteira nas últimas semanas é formada por mulheres e crianças

BBC Brasil |

selo

O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) informou nesta sexta-feira que estima que cerca de 4 mil pessoas fugiram da Síria para o Líbano nas últimas semanas.

Segundo a agência, muitos dos refugiados disseram ter testemunhado bombardeios pesados na cidade de Tall Kalakh, na região da fronteira entre os dois países. Líderes locais afirmam que, apenas na semana passada, 1,4 mil pessoas fugiram da cidade para as áreas fronteiriças de Wadi Khaled e Tall Bire, no norte do Líbano.

AP
Soldados do Exército sírio são vistos na vila de Arida, perto da cidade de Talkalakh, que fica na fronteira com o Líbano
O número de 4 mil refugiados é uma estimativa das autoridades locais, segundo o Acnur, e o número exato ainda não foi confirmado.

O Acnur informou em um comunicado que, "tendo de fugir daquilo que chamaram de forte bombardeio militar na área de Tall Kalakh, muitos dos que cruzaram a fronteira chegaram sem nenhum de seus pertences". "A maioria encontrou abrigo com parentes ou em casas de família, e alguns estão residindo temporariamente em uma escola de Tall Bire", informa o comunicado.

Confronto

Uma porta-voz do Ministério da Informação da Síria negou que Tall Kalakh tenha sido bombardeada. A representante do governo sírio disse à BBC que a área tem muitos contrabandistas, e eles teriam entrado em confronto com as forças de segurança do país.

Além disso, segundo as autoridades sírias, 20 membros das forças de segurança foram mortos nos combates.

De acordo com o comunicado do Acnur, grande parte das pessoas que cruzou a fronteira nas últimas semanas é formada por mulheres e crianças, que além de abrigo e assistência médica, também precisam de apoio psicológico e social - que tem sido oferecido pelo Ministério de Assuntos Sociais do Líbano.

Já foram distribuídos 3,5 mil colchões e 1,6 mil cobertores, além de alimentos para os refugiados sírios.

Na semana passada, o primeiro-ministro do Líbano, Saad Hariri, pediu ao Comitê de Ajuda Humanitária do governo do país a supervisão e coordenação da resposta às necessidades dos sírios que chegam ao norte do país.

A agência da ONU diz que aprova os esforços do governo libanês, mas também afirma que está acompanhando diretamente os relatos de que algumas pessoas estão sendo detidas ao entrar no país e obrigadas a voltar para a Síria.

    Leia tudo sobre: síriaprotestosrevoltamundo árabebashar al-assad

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG