Atrasos sobre armas químicas da Síria testam acordo entre EUA e Rússia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Rússia defendeu o presidente Bashar al-Assad e disse que seu governo precisa de mais tempo para enviar os produtos químicos de forma segura pelo país

Reuters

Durante reunião a portas fechadas, governos ocidentais liderados pelos Estados Unidos censuraram a Síria por não entregar suas armas químicas dentro dos prazos ambiciosos acertados com a Rússia depois de um ataque de gás venenoso em agosto.

Entenda: Por que a Rússia e a China apoiam a Síria?

Presidente da Rússia desafia EUA a apresentar à ONU provas sobre Síria

AP
Sírios tentam identificar corpos depois de suposto ataque químico em Arbeen, subúrbio da Síria

Um orador depois do outro se levantou para repreender Damasco na Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), até que chegou a vez da Rússia falar e Moscou teve uma reação muito mais branda.

A Rússia defendeu o presidente Bashar al-Assad e disse que seu governo precisa de mais tempo para enviar os químicos de forma segura pelos territórios onde ela está combatendo rebeldes.

A Síria deixou de cumprir o primeiro prazo para entregar as toxinas mais perigosas no dia 31 de dezembro e outra data-limite passou na quarta-feira, quando ela deveria ter entregado todo o restante do material químico perigoso.

O sucesso do programa de destruição, agora também correndo o risco de perder o prazo final de 30 de junho, é do interesse das duas potências, mas o confronto em Haia no dia 30 de janeiro expôs uma profunda divisão entre Moscou e Washington sobre como reagir à falta de progresso da Síria.

O confronto entre EUA e Rússia também é um prognóstico ruim para uma parceria entre Moscou e Washington que é vista como fundamental para resolver outros grandes desafios da política externa, desde o programa nuclear do Irã às negociações de paz para a Síria em Genebra, que estão previstas para recomeçar na segunda-feira. Além disso, um sentimento ruim foi despertado por uma conversa telefônica entre autoridades americanas sobre a Ucrânia que vazou.

Mesmo com o mais recente revés, o acordo para destruir o arsenal químico da Síria que evitou um ataque militar liderado pelos EUA e deu um prêmio Nobel da Paz para a OPAQ, ainda pode dar certo, disse o Secretário Geral da ONU, Ban Ki-moon.

O próximo prazo importante é em 31 de março, quando as substâncias mais tóxicas deveriam ser destruídas fora da Síria, em um navio de carga especial dos EUA, o Cape Ray, que está a caminho.

Leia tudo sobre: síriaeuarússiaarmas químicasmundo árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas