Morteiros são disparados em Homs antes da chegada de missão humanitária da ONU

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ataques ocorrem em momento de cessar-fogo para a retirada de civis e a chegada de ajuda humanitária a habitantes presos nos bairros mais centrais da cidade síria

Ativistas e autoridades sírias disseram que disparos de morteiros foram feitos no início deste sábado (08) em Homs, apesar de um cessar-fogo que tinha a intenção de permitir a retirada de civis e a chegada de ajuda humanitária a habitantes presos nos bairros mais centrais.

A retirada: Começa operação de retirada de civis da cidade sitiada de Homs, na Síria

Não houve relatos imediatos de vítimas do incidente, e ambos os lados culparam seus opositores pelos disparos. Também não há informações sobre um possível atraso das operações humanitárias em decorrência dos atos.

AP
Crianças, mulheres e idosos começaram a ser levados nesta sexta-feira de bairros sitiados da cidade síria de Homs

O governador de Homs, Talal al-Barazi, disse à agência de notícias estatal SANA que "grupos terroristas armados quebraram a trégua nesta manhã na cidade antiga de Homs, fazendo disparos de morteiros contra o prédio da polícia". Autoridades sírias referem-se à oposição armada contra o presidente Bashar al-Assad como terrorismo.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, um grupo de monitoramento opositor a Assad, citam ativistas em Homs segundo os quais foram as forças de Assad que realizaram o bombardeio. A entidade afirmou que cinco explosões sacudiram a região às 8h30 (horário local).

Drama: Refugiados em fuga de Aleppo estão encurralados na fronteira turca

Um comboio da Organização das Nações Unidas (ONU) levando alimentos e medicamentos aguardava este sábado para entrar na cidade antiga de Homs e entregar sua primeira remessa de ajuda humanitária no local desde meados de 2012. Na sexta-feira, 83 civis foram retirados do centro da cidade.

Funcionários da ajuda humanitária disseram que alguns deles tinham sinais de desnutrição, após viver sob um cerco por mais de um ano e meio, em um dos redutos do levante contra Assad, que começou em 2011.

A revolta se transformou em uma insurgência armada depois que as forças do presidente reprimiram violentamente os protestos.

* Com informações da Reuters

Leia tudo sobre: síriamundo árabehomsonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas