Al-Qaeda se distancia de grupo extremista sírio

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Objetivo da Organização islâmica é reafirmar sua autoridade sobre os grupos combatentes na Síria

Reuters

O comando geral da Al-Qaeda disse nesta segunda-feira que não tem ligações com o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, numa aparente tentativa de reafirmar a sua autoridade sobre os divididos grupos de combatentes islâmicos na guerra civil da Síria.

Negociações: Síria e oposição trocam duras críticas no fim de conferência

AP
Foto sem data divulgada em site em 14/1/2014 mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e Levante, vinculado à Al-Qaeda, em Raqqa, Síria

A ação da Al-Qaeda para se distanciar do cada vez mais independente Estado Islâmico fortalece a rival Frente Nusra como a representante oficial da rede na Síria.

A medida é vista como uma tentativa de concentrar os esforços contra o presidente da Síria, Bashar al-Assad, em vez de desperdiçar recursos em confrontos contra outros rebeldes, num momento em que as forças do governo estão cada vez mais ativas no campo de batalha. A decisão pode também fortalecer a Nusra na sua disputa contra o Estado Islâmico.

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante tem entrado em confrontos com outros insurgentes islâmicos e com grupos rebeldes laicos, geralmente por causa de disputas de autoridade e território.

A violência entre rebeldes na Síria já matou pelo menos 2.300 pessoas neste ano, de acordo com o Observatório Sírio para Direitos Humanos, um grupo que monitora o conflito.

O Estado Islâmico segue a ideologia da Al-Qaeda e até agora os dois eram vistos como oficialmente ligados.

Numa mensagem divulgada por sites extremistas nesta segunda-feira, o Comando Geral da Al-Qaeda afirmou que o Estado Islâmico "não é um braço do grupo Al Qaeda".

"(A Al Qaeda) não tem uma relação organizacional com ele e não é o grupo responsável pelas suas ações."

Veja imagens do conflito sírio no ano passado:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Um comandante da Nusra no norte da Síria disse à Reuters que o comunicado significava que a posição do grupo não era mais de neutralidade.

"Agora nós vamos para a guerra contra o Estado Islâmico e vamos acabar com ele", disse, sob condição de anonimato.

O Estado Islâmico do Iraque e do Levante, no entanto, tem se mostrado forte. No domingo, seus combatentes libertaram mais de 400 pessoas de uma prisão no norte da Síria, que eram prisioneiras de um grupo islâmico rival, segundo o Observatório Sírio.

No leste, o Estado Islâmico teria tomado um campo de produção de gás da Frente Nusra e de outros rebeldes islâmicos.

No Iraque, o Exército e integrantes de tribos mataram 57 combatentes do Estado Islâmico na província de Anbar nesta segunda-feira, de acordo com o Ministério da Defesa, numa ação que pode indicar um possível ataque à cidade sunita de Falluja, sob controle de extremistas há um mês.

Leia tudo sobre: síriaassadmundo árabeprimavera árabeal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas