Bombas atingem Cairo, grupo ligado à Al Qaeda assume autoria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ninguém ficou ferido na explosão. Autoridades esperam mais atos de violência neste sábado, terceiro aniversário da revolta que derrubou Hosni Mubarak

Reuters

Uma bomba explodiu neste sábado perto de uma academia de polícia do Cairo, disseram fontes de segurança, um dia após uma onda de ataques ter alimentado temores de que a insurgência islâmica está ganhando força no país.

Conheça a home do Último Segundo

Um grupo inspirado na Al Qaeda e sediado na Península do Sinai reivindicou a responsabilidade pelos ataques de sexta-feira, que mataram seis pessoas, afirmou a organização de monitoramento SITE.

Leia também: Três anos após Mubarak, Egito segue dividido e com futuro imprevisível

Ninguém ficou ferido na explosão ocorrida neste sábado, afirmou o Ministério do Interior, mas autoridades esperam mais atos de violência a enquanto movimentos políticos rivais se juntam para lembrar o terceiro aniversário da revolta que derrubou o presidente autocrata Hosni Mubarak.

Militantes islâmicos sediados na Península do Sinai elevaram a quantidade de ataques desde a derrubada pelo Exército do presidente Mohamed Mursi, da Irmandade Muçulmana, em julho. Centenas de membros das forças de segurança foram mortos desde então.

Novo julgamento do presidente deposto do Egito terá mais acusações

O grupo militante Ansar Bayt al-Maqdis (Defensores de Jerusalém) reivindicou pela Internet a responsabilidade pelos ataques, incluindo um carro-bomba em um complexo de segurança no centro do Cairo, afirmou o SITE, que tem sede nos Estados Unidos. A mensagem pediu para que os muçulmanos fiquem longe "das sedes dos inimigos e de centros de segurança".

No ano passado, o Ansar Bayt al-Maqdis assumiu a autoria de uma tentativa de assassinato do ministro do Interior. O governo, apoiado pelos militares e com a ajuda da imprensa estatal e privada, acusa a Irmandade Muçulmana de realizar ataques terroristas.

Autoridades elevaram a segurança no Cairo, prevendo mais problemas enquanto facções políticas rivais planejam se juntar para comemorar a queda de Mubarak. A polícia e o Exército estão em estado de alerta, e helicópteros sobrevoaram um centro do Cairo praticamente vazio na manhã deste sábado.

Mohamed Saleh, um motorista de táxi de 63 anos, afirmou que planeja lembrar a revolta de 2011 indo à Praça Tahrir, o coração da revolta, mas o local estava fechado por veículos blindados na manhã deste sábado.

"Essa foi uma revolta completamente popular, do povo", afirmou Saleh, lembrando dos 18 históricos dias que levaram à queda de Mubarak. "Foi um movimento protegido pelo Exército", acrescentou.

Conflitos na capital e em outras cidades na sexta-feira, entre partidários de Mursi e forças de segurança, mataram 14 pessoas, em outro sinal do aumento das tensões no maior país árabe do mundo.

Leia tudo sobre: EgitoMubarakCairoTarhirPrimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas