EUA pedem que ONU retire convite para Irã participar de conferência sobre Síria

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Declaração é feita após Teerã sugerir que aceita participar sem apoiar plano de transição política alcançado em 2012

Reuters

Os EUA afirmaram nesta segunda-feira que o Irã não seria bem-vindo a um encontro previsto para quarta-feira (22) para discutir o conflito sírio se não apoiar publicamente o acordo de Genebra de 2012, que defende um governo provisório para a Síria.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Chanceler jordaniano e presidente do Conselho de Segurança da ONU, Nasser Judeh (D), conversa com secretário-geral da ONU em Nova York

Ban Ki-moon: ONU convida Irã para diálogo de paz na Síria

"Isso é algo que o Irã nunca fez publicamente e é algo que estamos há tempo deixando claro que é necessário", declarou Jen Psaki, porta-voz do Departamento de Estado americano, em um comunicado. "Se o Irã não aceitar por completo e publicamente o comunicado de Genebra, o convite deve ser cancelado."

A afirmação dos EUA foi feita após o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ter convidado inesperadamente o Irã para participar da conferência de paz que será realizada na Suíça. O principal grupo de oposição síria reagiu afirmando que não participará se o convite ao Irã não for retirado.

Genebra 1: Acordo deixa em aberto permanência de Assad

O Irã é o principal aliado internacional do presidente da Síria, Bashar al-Assad, e a participação do país na conferência tem sido um dos temas mais polêmicos do primeiro diálogo reunindo o governo de Assad e seus adversários.

Para aumentar as incertezas sobre a conferência, Assad disse que pode buscar a reeleição neste ano, descartando qualquer negociação sobre a sua saída do poder, a principal reivindicação dos seus opositores.

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a Síria

O principal grupo sírio de oposição no exílio, a Coalizão Nacional, que só concordou em ir à Genebra 2 há dois dias, disse que vai voltar atrás se o convite ao Irã for mantido. "A Coalizão síria anuncia que não irá à Genebra 2 a não ser que Ban Ki-moon retire o convite ao Irã", dizia um post no Twitter, citando o porta-voz da coalizão, Louay Safi.

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Ban declarou que o convite foi feito depois que o ministro do Exterior do Irã, Javad Zarif, disse que aceitava as resoluções de 2012. "O ministro Zarif e eu concordamos que o objetivo das negociações é estabelecer por consenso um governo transitório com poderes executivos plenos", afirmou o secretário-geral.

Sexta: Síria oferece trocar prisioneiros de guerra com forças da oposição

"Ele me assegurou que, como todos os outros países convidados para o dia de abertura das discussões em Montreux, o Irã entende que a base para o diálogo é a implementação plena do comunicado de 30 de junho de 2012."

O Irã disse, no entanto, que compareceria às negociações sem ter aceitado qualquer precondição, aparentemente mantendo a sua posição tradicional.

Observatório: Conflitos entre rebeldes rivais da Síria mataram mais de 1 mil

"Sempre rejeitamos pré-condições para comparecer à Genebra 2. Com base num convite oficial que recebemos, o Irã irá à Genebra 2 sem qualquer precondição", disse Marzieh Afkham, porta-voz do Ministério do Exterior, segundo citação da agência de notícias iraniana ISNA.

Leia tudo sobre: síriairãmundo árabeprimavera árabeassadonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas