Ex-presidente Mursi e ativistas vão a julgamento no Egito

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente deposto responderá por insulto ao Judiciário ao lado de outros 24 réus críticos ao novo governo

Reuters

O presidente deposto do Egito Mohamed Mursi vai ser julgado por ter insultado o Judiciário, segundo afirmaram fontes judiciais neste domingo (19), ao lado de outras 24 pessoas, incluindo ativistas liberais que se opuseram ao mandato pró-islâmico de Mursi mas que também são críticos do novo governo apoiado pelo Exército.

Conheça a home do Último Segundo

Este é o quarto processo que Mursi enfrenta desde que foi deposto pelo Exército em julho de 2013, após protestos contra um governo que durou somente um ano.

O julgamento também mostra a enorme pressão exercida sobre os ativistas secularistas, que ajudaram a derrubar Hosni Mubarak em 2011, criticaram a Irmandade Muçulmana de Mursi, mas também se opuseram ao novo regime egípcio, comandado pelas Forças Armadas.

Clandestinidade: Tribunal do Egito proíbe atividades da Irmandade

Entre os não-islamistas acusados estão ex-membros do Parlamento, como Amir Hamzawy e Mostafa El Naggar, além de Alaa Abdel Fattah, um blogueiro ativista detido em novembro e já com julgamento em curso por ter organizado protestos sem permissão.

A acusação de insultar o Judiciário pode levar a uma pena de até três anos de cadeia no Egito.

Mursi já havia sido acusado de incitar a violência e conspirar com militantes estrangeiros contra a soberania do país.

O governo interino atual tem aumentado a pressão sobre a Irmandade Muçulmana, rotulada como uma organização terrorista. As forças armadas mataram centenas de apoiadores da Irmandade assim que Mursi foi deposto, e prendeu outros milhares.

O governo acusa a Irmandade de ter se convertido em um grupo violento. A Irmandade, que já foi o movimento político e religioso mais bem organizado do país e chegou a ganhar cinco eleições consecutivas, nega qualquer ligação com violência e acusa o Exército de encenar um golpe militar.

Mursi comparecerá ao tribunal no dia 28 de janeiro. A junta provisória que comanda o Egito planeja uma transição política que convocará eleições presidenciais e parlamentares ainda neste ano, com o chefe do Exército, o general Abdel Fattah al-Sisi visto como um dos prováveis candidatos.

Os egípcios votaram a nova Constituição em um referendo na última semana, com 98,1 por cento da população votando pelo "sim", de acordo com resultados oficiais. O pleito foi boicotado pela Irmandade.

Leia tudo sobre: MUNDOEGITOMURSIJULGAMENTO

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas