Conflitos entre rebeldes rivais da Síria mataram mais de 1 mil, diz Observatório

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Combatentes de grupo vinculado à Al-Qaeda disputam territórios com rebeldes que tentam derrubar Assad

Reuters

Duas semanas de confrontos deixaram mais de 1 mil mortos entre militantes ligados à Al-Qaeda e seus rivais rebeldes, disse um grupo de monitoramento nesta quinta-feira, de longe o mais sangrento conflito interno desde o início da revolta.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Foto sem data divulgada em site em 14/1/2014 mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e Levante, vinculado à Al-Qaeda, em Raqqa, Síria

Disputa: Rebeldes sírios lutam entre si e desestabilizam fronteira com Turquia

O levante contra o presidente Bashar al-Assad evoluiu para uma guerra civil após uma repressão contra protestos pacíficos e agora mobiliza vários grupos contrários ao governo e, cada vez mais, conflituosos entre si.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, um grupo oposicionista de monitoramento, afirmou que 1.069 foram mortos em confrontos e execuções desde o início do combate entre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), ligado à Al-Qaeda, e rivais de forças rebeldes de Aleppo, no início deste mês.

A conta inclui 130 civis, 21 dos quais executados pela EIIL em um hospital pediátrico que servia como base para o grupo em Aleppo, segundo o Observatório. Outros 608 mortos eram combatentes de grupos islamitas e de outros grupos menos ideologicamente marcados, que se juntaram às forças que enfrentam o EIIL.

Bashar al-Assad: Conheça a trajetória do presidente da Síria

Combatentes da afiliada da Al-Qaeda contabilizaram 312 mortos, enquanto os 19 restantes não foram identificados, disse o Observatório.

Uma miríade de grupos rebeldes, incluindo uma aliança conhecida como Frente Islâmica, que reúne algumas das facções insurgentes mais poderosas da Síria, tem tentado expulsar o EIIL, também presente no Iraque.

Veja fotos da guerra na Síria no ano passado:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

A impopularidade do EIIL tem aumentado entre os sírios por causa dos sequestros e assassinatos de oponentes e por seu objetivo de impor sua própria interpretação rígida da lei islâmica. O grupo também provocou a ira de outros rebeldes ao tomar território de insurgentes rivais.

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Os combates têm reduzido as fileiras rebeldes, com forças do governo tendo recuperado território em torno de Aleppo, mas há aparentemente um impacto limitado sobre a dinâmica geral da guerra, que permanece amplamente equilibrada.

Combatentes do EIIL conseguiram recapturar a maior Parte da província de Raqqa, no norte do país, e outras áreas da Província de Aleppo, que haviam sido perdidas no início da ofensiva rebelde.

Os confrontos internos à oposição têm afetado as principais regiões sob controle rebelde. As províncias centrais de Homs e Hama registraram alguns confrontos, mas o grosso dos embates acontece nas províncias no norte e leste de Aleppo, Raqqa, Idlib e Deir al-Zor.

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabealeppoal qaedaeiil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas