Primeiro carregamento de armas químicas é retirado da Síria, anuncia ONU

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Anúncio é passo crucial em operação internacional para destruir arsenal de regime de Assad até o meio deste ano

O primeiro carregamento de armas químicas deixou o porto sírio de Latakia em um navio dinamarquês nesta terça-feira, anunciou a chefe da missão conjunta da ONU e da Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq), a diplomata holandesa Sigrid Kaag.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Navio norueguês Helge Ingstad (D) é visto a partir do navio dinamarquês Esbern Snare (E) entre o Chipre e a Síria antes de os dois se dirigirem ao porto de Latakia (5/1)

2013: Organização para a Proibição de Armas Químicas leva o Nobel da Paz

Com a ajuda do Irã: Saiba mais sobre as armas químicas da Síria

Segundo Kaag, o carregamento é composto de material bruto para produção de gás venenoso e foi retirado do país tendo como escolta fragatas chinesas, dinamarquesas, norueguesas e russas.

O anúncio marca um passo crucial na operação internacional para livrar o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, de seu arsenal declarado de armas químicas até o meio deste ano. Assad está em guerra há quase três anos com rebeldes que tentam derrubar seu regime.

Dezembro: ONU confirma uso repetido de armas químicas na Síria

A primeira tentativa de coletar as armas foi abortada depois que autoridades sírias fracassaram em entregar os químicos tóxicos para o ponto de coleta em Latakia.

A previsão é de que as armas sejam enviadas à Itália, onde serão carregadas em um navio da Marinha americana e transportadas para águas internacionais para destruição em um tanque de titânio especialmente criado a bordo.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

A remoção dos químicos mais perigosos é o primeiro passo de um acordo apoiado pela ONU para eliminar o estoque sírio. O acordo foi alcançado pelos EUA e a Rússia depois que foguetes com o gás neurológico sarin foram disparados em três vilas no cinturão agrícola de Ghouta, nos arredores da capital síria, Damasco, em 21 de agosto. Os ataques deixaram centenas de mortos.

As potências internacionais afirmaram que apenas as forças do governo tinham condições de lançar os ataques, mas Assad culpou os combatentes rebeldes.

*Com BBC e AP

Leia tudo sobre: síriaarmas químicas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas