Texto bane partidos religiosos e autoriza Forças Armadas a nomearem ministro da Defesa, com mandato de oito anos

Reuters

A nova Constituição do Egito irá apoiar o papel dos militares e banir os partidos religiosos, de acordo com o esboço do texto concluído neste sábado, quase cinco meses depois que o exército depôs o presidente islâmico Mohamed Mursi. A Constituição, que deve ser submetida a referendo em dezembro, é parte de uma transição política planejada pelo exército antes das eleições parlamentares e presidenciais no próximo ano.

Conheça a nova home do Último Segundo

Mais: Presidente do Egito assina lei que restringe protestos, diz TV

Membro da assembleia com cópia do projeto que será votado em dezembro
AP
Membro da assembleia com cópia do projeto que será votado em dezembro

"Nas primeiras horas da manhã, a assembleia (alcançou) um consenso geral em relação aos artigos da Constituição", disse seu presidente, o ex-líder da Liga Árabe Amr Moussa, em entrevista à imprensa. A Assembleia Constituinte de 50 membros começou a votar para aprovar o texto, artigo por artigo. Assim que o processo for concluído, a assembleia irá submeter o documento ao presidente interino Adli Mansour, que estabelecerá uma data para o referendo.

Líder interino do Egito diz a jornal que não disputará presidência em 2014

Egito anuncia suspensão do estado de emergência e toque de recolher

O esboço final, visto pela Reuters, elimina as emendas inspiradas pelos islamitas que estavam na Constituição, aprovada por um referendo durante o ano de Mursi no poder. A nova Constituição autoriza o Conselho Supremo das Forças Armadas a aprovar a escolha de um ministro da Defesa que serviria por oito anos a partir do momento que o texto se tornar lei.

O chefe do exército, o General Abdel Fattah al-Sisi depôs Mursi, da Irmandade Muçulmana, em 3 de julho. Sisi suspendeu a Constituição e uma assembleia foi nomeada para elaborar uma nova até 3 de dezembro.

(Por Asma Alsharif e Omar Fahmy)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.