Governo sírio aceita conferência de paz, mas diz que não entregará poder

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

"Genebra 2" buscará solução para encerrar guerra civil no país; debates estão marcados para o dia 22 de janeiro

Autoridades do governo sírio confirmaram nesta quarta-feira que irão comparecer às negociações de janeiro, em Genebra, propostas para encerrar a guerra civil no país, mas vão resistir às demandas do Ocidente para que o presidente Bashar al-Assad renuncie, disse a agência estatal de notícias Sana, nesta quarta-feira (27).

Conheça a nova home do Último Segundo

"A era colonial acabou", disse uma fonte do Ministério das Relações Exteriores em resposta aos pedidos de França e Grã-Bretanha pela saída de Assad e a formação de um governo de transição sem a presença do atual presidente.

AP
Presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista em Damasco (arquivo)

Casos de pólio na Síria se espalham para Damasco e Aleppo, diz OMS

BBC: Vítimas do conflito na Síria são tratadas em hospitais do 'inimigo' Israel

EUA: Kerry diz que conferência é melhor oportunidade para resolver conflito

A fonte disse que a delegação do governo sírio nas negociações de Genebra vai transmitir "os desejos do povo sírio, principalmente a eliminação do terrorismo" --uma referência aos confrontos contra os rebeldes que lutam para derrubar Assad.

A conferência de paz conhecida como "Genebra 2" será realizada no dia 22 de janeiro de 2014, informou um porta-voz do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em comunicado na segunda (25), encerrando seis meses de discussões sobre a data do encontro . "Nós iremos a Genebra numa missão de esperança", disse o comunicado na ocasião.

*com Reuters e AP

Leia tudo sobre: síriaassadmundo árabeconferência da pazonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas