Albânia rejeita participar de destruição das armas químicas da Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Premiê, que negou pedido dos Estados Unidos, afirmou ser 'impossível' para seu país se envolver nesta operação

A Albânia rejeitou um pedido dos EUA para sediar o desmantelamento das armas químicas da Síria, disse o primeiro-ministro do país, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em comunicado na TV nesta sexta-feira. "É impossível para a Albânia se envolver nesta operação", disse Edi Rama.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Estudante usa máscara de gás durante aula sobre como responder a um ataque de armas químicas em Aleppo, Síria (18/9)

A Síria concordou em setembro com a destruição de todo o seu estoque de armas químicas como parte de um acordo firmado pela Rússia e pelos EUA.

Os EUA haviam pedido à Albânia, uma estreita aliada do Ocidente, que permitisse a destruição em seu território e vinham negociando os detalhes técnicos em meio a manifestações de protesto em Tirana, capital albanesa.

Mais: Noruega rejeita pedido dos EUA para destruir armas químicas da Síria

2013: Organização para a Proibição de Armas Químicas leva o Nobel da Paz

Perfil da organização: Saiba mais sobre o vencedor do Nobel da Paz 2013

Uma reunião do conselho executivo da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq), entidade premiada com o Nobel da Paz e encarregada de supervisionar o plano sírio de destruição das armas, havia sido adiada até a Albânia se decidisse.

Nesta sexta-feira, centenas de manifestantes na Albânia, incluindo estudantes que saíram mais cedo das aulas, se concentraram para criticar o plano. Eles gritavam slogans e pintaram a palavra "não" nos rostos.

Hoje, 15 de novembro, era a data estabelecida como prazo final para que a Opaq e a Síria chegassem a um acordo para um plano detalhado sobre o local onde serão descartadas 1,3 mil toneladas de gás sarin, mostarda e de outros agentes que afetam o sistema nervoso, considerados perigosos demais para serem destruídos na Síria em meio à guerra civil.

Dificuldades: O desafio da destruição de armas químicas na Síria em plena guerra

1º de outubro: Inspetores que destruirão armas químicas chegam à Síria

Fora dos holofotes: Debate sobre armas químicas ofusca crise humanitária síria

O presidente sírio, Bashar al-Assad, aceitou o plano depois que os Estados Unidos ameaçaram usar a força em resposta a um ataque com gás sarin que matou centenas de pessoas em Damasco, em 21 de agosto.

Um esboço do acordo que estava sendo revisado pelo conselho executivo nesta sexta-feira determina a remoção da maioria dos materiais químicos da Síria num prazo de apenas seis semanas, ou seja, até 31 de dezembro, e a destruição das instalações remanescentes de armas químicas até março.

Com Reuters

Leia tudo sobre: albâniaarmas químicassíriamundo árabeprimavera árabeeuaopaq

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas