Morteiro atinge Embaixada do Vaticano em Damasco, na Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz da Santa Sé afirmou que ataque contra missão provocou danos materiais, mas não deixou feridos

Um morteiro atingiu um prédio em Damasco que abriga a embaixada do Vaticano nesta terça-feira (5), segundo afirmaram testemunhas, no mais recente de uma série de ataques contra missões diplomáticas estrangeiras na capital da Síria.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Coluna de fumaça preta invade o ar após bombardeio em Damsaco, Síria (4/11)

Não ficou claro se a missão diplomática da Santa Sé no distrito de Abu Roummaneh era o alvo específico do ataque dessa manhã, que danificou o teto da construção. Não foram registradas vítimas e nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

Os rebeldes que lutam para derrubar o presidente sírio, Bashar al-Assad, frequentemente usam morteiros na capital, onde o governo tenta seguir uma rotina normal apesar da guerra civil que atinge todo o país há mais de dois anos.

Assista ao vídeo: Explosões na Síria assustam entrevistado ao vivo na TV

Armas da Rússia: Israel lança ataque aéreo a carregamento de mísseis na Síria

O porta-voz do Vaticano, o referendo Federico Lombardi, afirmou a repórteres que o papa havia sido informado do ataque que, segundo ele, ocorreu por volta das 6h30 do horário local (2h30 em Brasília) e não deixou feridos.

"Por causa do horário, houve somente estragos materiais", disse Lombardi. "Se tivesse ocorrido mais tarde, teria sido muito mais perigoso. Graças a Deus ninguém ficou ferido."

Em setembro, um morteiro atingiu a embaixada iraquiana, deixando quatro mortos. Ataques semelhantes ocorreram nas missões diplomáticas da China e da Rússia no início do ano, mas sem deixar feridos.

Defesa: Guerra síria eleva tráfego em águas vigiadas por brasileiros no Líbano

Moscou e Pequim apoiam Assad no conflito, que teve início em 2011 com protestos em sua maioria pacíficos pedindo a derrubada do regime, mas se transformou em uma sangrenta guerra civil com tons sectários, com rebeldes sunitas lutando contra os alauítas que comandam o governo Assad.

Os rebeldes são apoiados pelos EUA e por seus aliados na Europa e no Golfo, como a Arábia Saudita e o Catar.

Com AP

Leia tudo sobre: vaticanosíriadamascomundo árabeprimavera árabeassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas