Diante de interrupções, Egito adia julgamento de presidente deposto para janeiro

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mohammed Morsi se disse o presidente legítimo do país e afirmou não reconhecer autoridade do tribunal

Após quatro meses detido em local desconhecido, o presidente islamita deposto do Egito Mohammed Morsi rejeitou a autoridade da Corte durante a abertura de seu julgamento nesta segunda-feira (4), dizendo que ele era o "líder legítimo" do país. O julgamento foi então adiado para 8 de janeiro após várias interrupções.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Partidária de Morsi mostra número 4, que virou um símbolo da mesquita Rabaah al-Adawiya, onde acampamento de islamitas foi brutalmente reprimido pelo Exército em agosto

Tensões: Começa julgamento do presidente deposto Morsi

Semana passada: Egito prende líder do partido da Irmandade Muçulmana

O presidente Mohammed Morsi, primeiro presidente eleito livremente no Egito, esteve detido em um local desconhecido desde sua deposição em 3 de julho. Com aparência saudável, Morsi compareceu à Corte nesta segunda vestindo um terno azul escuro. Ele se recusou a colocar a vestimenta de presídio como ordenou o juiz.

Morsi e 14 outros réus, figuras importantes da Irmandade Muçulmana, enfrentam acusações de incitar a violência na morte de manifestantes que se amontoaram às portas do palácio presidencial em dezembro, exigindo o cancelamento do referendo de uma nova constituição elaborada por seus aliados islamitas.

Decisão: EUA suspendem parte da ajuda militar ao Egito e provocam críticas

Clandestinidade: Tribunal do Egito proíbe atividades da Irmandade Muçulmana

AP
Imagem de vídeo publicada no site do jornal el-Watan mostra o presidente Mohammed Morsi durante sua detenção

Os membros da Irmandade atacaram um acampamento de manifestantes, provocando confrontos e a morte de 10 pessoas. Se condenados, Morsi e os outros 14 poderão enfrentar a pena de morte. O líder da Irmandade rejeitou os procedimentos e disse que ele foi obrigado a comparecer ao tribunal. "Esse é um golpe militar, cujos líderes deveriam ser julgados de acordo com a constiuição", disse Morsi ao juiz. "Eu sou o presidente da República e eu estou aqui contra a minha vontade. O que está acontecendo aqui é o acobertamento de um golpe militar."

A tumultuada sessão desta segunda-feira reflete a tensa atmosfera de uma nação profundamente polarizada entre os partidários islamitas de Morsi e o governo apoiado pelo Exército e egípcios moderados.

O início da audiência foi atrasado por quase duas horas por causa da recusa de Morsi em vestir o uniforme de presidiário. O juiz, Ahmed Sabry Youssef, teve que suspender a audiência duas vezes por causa da interrupção dos réus com cantos e palavras de ordem. O processo foi adiado então para 8 de janeiro para que os advogados de defesa revisassem os documentos, segundo a secretaria do tribunal.

Não foi imediatamente esclarecido o local para onde Morsi foi levado após a sessão. A TV estatal inicialmente afirmou que ele havia sido transferido para a principal prisão no Cairo, onde os co-réus permanecem detidos. Mas depois, houve uma informação de que ele teria sido levado a uma prisão no deserto próximo de Alexandria.

Veja imagens do Egito desde a queda de Morsi:

Forças de segurança do Egito fazem guarda em frente da Universidade Islâmica Al-Azhar no Cairo (30/10). Foto: APForças de segurança do Egito e civis seguram um partidário do presidente deposto Mohammed Morsi perto da Praça Ramsis, no Cairo (7/10). Foto: APConfrontos entre apoiadores e opositores do presidente deposto do Egito, Mohamed Mursi, deixam mortos e feridos (6/10). Foto: Amr Abdallah Dalsh/ReutersPartidários do presidente egípcio deposto Mohammed Morsi gritaram palavras de ordem contra o ministro da Defesa do país durante marcha (4/10). Foto: APForças de segurança do Egito protegem o corpo do General Nabil Farrag morto por militantes que abriram fogo em Kerdasa  (19/9). Foto: APPartidários do presidente egípcio deposto Mohammed Morsi protestam em Nasr City, no Cairo (13/9). Foto: APExército do Egito ataca militantes islâmicos no norte do Sinai (7/9). Foto: APPessoas observam carro queimando momentos depois que um atentado à bomba atingiu o comboio do ministro do Interior do Egito, Mohammed Ibrahim (5/9). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi cobram para se proteger de gás lacrimogêneo lançado por polícia no Cairo, Egito (30/8). Foto: APManifestantes que apoiam o líder deposto Mohammed Morsi ajudam ferido perto de Praça Ramsés, no Cairo (16/8). Foto: ReutersPartidário de Mohammed Morsi se desespera enquanto amigo que foi ferido pelas forças de segurança recebe tratamento em mesquita no Cairo, Egito (16/8). Foto: NYTEgípcios velam corpos de seus parentes mortos em massacre de quarta-feira na mesquita Al-Fath, no Cairo (16/8). Foto: APCivil carregando uma arma observa movimento da rua no bairro de Zamalek no Cairo, Egito (16/8). Foto: APPartidários de Mohammed Morsi gritam palavras de ordem contra Exército durante confrontos no bairro de Mohandessin, no Egito (14/8). Foto: APForças de segurança do Egito prende manifestantes durante remoção de acampamento de partidários do islamita Mohammed Morsi em Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APHomem é ferido durante confronto no Egito (27/7). Foto: APPartidários do chefe do Exército egípcio, general Abdel-Fatah el-Sissi, se manifestam em ponte que leva à Praça Tahrir, no Cairo (26/7). Foto: APHomem de joelhos agita bandeiras do Egito  em uma ponte que leva à Praça Tahrir, no Cairo (26/7). Foto: APOpositores do presidente deposto Mohammed Morsi carregam amigo ferigo em confrontos com partidários de Morsi no Cairo (23/7). Foto: APOponentes do presidente deposto Mohammed Morsi queimam pôsteres com sua foto durante confrontos no Cairo, Egito (22/03). Foto: APEgípcio com uma pistola e opositores do presidente Mohammed Morsi detêm um suposto partidário de Morsi que foi ferido em confrontos no Cairo (22/7). Foto: APPartidários do presidente deposto do Egito Mohammed Morsi jogam pedras em opositores de Morsi durante confrontos em uma ponte no centro do Cairo (15/7). Foto: APMembros da Irmandade Muçulmana protestam com máscaras de Morsi no Cairo, no Egito (13/7) . Foto: ReutersPartidária de Mohammed Morsi coloca faixa na cabeça (12/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi rezam depois da quebra do jejum durante o mês sagrado do Ramadã em Nasr City, Cairo, Egito (12/7). Foto: APPartidários do presidente deposto do Egito Mohammed Morsi seguram seus cartazes em protesto perto da Universidade do Cairo, no Egito (12/7). Foto: APVoluntários usando coletes amarelos protegem mulheres na praça Tahrir (8/7). Foto: APEgípcio chora do lado de fora de necrotério depois de carregar o corpo de seu irmão morto perto da Guarda Republicana no Cairo (8/7). Foto: APHomem mostra camiseta ensanguentada de partidário do presidente deposto Mohammed Morsi do lado de fora de hospital no Cairo (8/7). Foto: APMédico egípcio partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em hospital em Nassr City, Cairo (8/7). Foto: APCorpo de partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em ambulância no Cairo, Egito (8/7). Foto: APHomem chora em hospital improvisado depois de soldados e policiais abrirem fogo contra partidários de líder deposto Morsi (8/7). Foto: APOponentes do presidente deposto Mohammed Morsi se manifestam na Praça Tahir, no Cairo, Egito (7/7). Foto: APOponentes de Mohammed Morsi se reunem na Praça Tahir, no Cairo, no domingo (7/7). Foto: APEgípcias choram durante enterro de oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi, que foram mortos durante confrontos no Cairo (6/7). Foto: APPartidária do presidente deposto Mohammed Morsi segura no Cairo retrato em que se leem: 'legitimidade é uma linha vermelha' e 'saia Sissi, Morsi é meu presidente' (6/7). Foto: APManifestantes contrários ao presidente deposto Mohammed Morsi arremessam pedras durante confrontos com membros da Irmandade e partidários de Morsi no Cairo (5/7). Foto: ReutersPartidários e oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi entram em confronto na ponte 6 de Outubro, perto de Maspero, Cairo (5/7). Foto: APManifestantes islâmicos, um deles com o retrato do presidente deposto Mohammed Morsi, mostram mãos sujas de sangue após disparos do Exército no Cairo (5/7). Foto: APManifestantes que apoiam o presidente deposto Mohammed Morsi correm em meio ao gás lacrimogêneo lançado pelas forças de segurança no Cairo (4/7). Foto: ReutersPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi participam de manifestação perto da Universidade do Cairo, Egito (4/7). Foto: APPartidária segura pôster do presidente deposto Mohammed Morsi no qual se lê 'Sissi traidor', em referência ao chefe do Exército, em marcha em Nasser (4/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi gritam perto da praça da mesquita de Raba El-Adwyia, no Cairo (4/7). Foto: ReutersMembros da Irmandade Muçulmana e partidários de presidente deposto Mohammed Morsi protestam durante cerimônia de posse de líder interino no Cairo (4/7). Foto: Reuters

Com AP

Leia tudo sobre: morsiegitomundo árabeprimavera árabequeda de morsi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas