Síria cumpre prazo para destruir instalações de produção de armas químicas

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Opaq e governo sírio têm agora até dia 15 para definir destruição para as toneladas de munições e químicos

Reuters

A Síria destruiu ou tornou inoperáveis todas as instalações de fabricação e mistura de armas químicas no país, cumprindo um importante prazo no ambicioso plano de desarmamento definido pela comunidade internacional, disse nesta quinta-feira (31) a organização internacional responsável pelo desarmamento químico.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Reprodução de vídeo divulgada pela agência de notícias estatal da Síria mostra especialista em armas químicas trabalhando em usina em local desconhecido

Opaq: Saiba mais sobre a organização que venceu o Nobel da Paz

Conflito: O desafio da destruição de armas químicas na Síria em plena guerra

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq), ganhadora do Prêmio Nobel da Paz neste mês, diz ter inspecionado 21 das 23 instalações apontadas pela Síria. O acesso às outras duas era perigoso demais, mas a Opaq disse que os equipamentos químicos desses locais já haviam sido transferidos para outras instalações que foram inspecionadas. Uma terceira instalação foi inspecionada remotamente.

O prazo para tornar as instalações inoperáveis terminava em 1º de novembro. Agora, a Opaq e o governo sírio têm até o dia 15 de novembro para definir um plano de destruição detalhado para as mais de mil toneladas de munições e agentes químicos em poder da Síria.

Perigos: Insegurança impede inspeções químicas em duas instalações da Síria

Ajuda: Noruega rejeita pedido dos EUA para destruir armas químicas da Síria

O plano de desarmamento resultou de um acordo entre Rússia e EUA, para evitar que o governo americano bombardeasse a Síria em represália contra um ataque com gás sarin que matou centenas de civis nos arredores de Damasco em 21 de agosto.

"Este foi um importante marco no esforço por eliminar o programa de armas químicas da Síria", disse Ralf Trapp, especialista independente em desarmamento químico.

2013: Organização para a Proibição de Armas Químicas leva o Nobel da Paz

"A maioria dos sites e instalações declarados pela Síria e pela Opaq foi inspecionada, seus estoques foram verificados, o equipamento para a produção de armas químicas foi inutilizado e colocado fora de uso, e algumas armas não preenchidas também foram inutilizadas."

O governo de Bashar al-Assad aceitou abrir mão do seu arsenal químico apesar de negar a autoria do massacre de agosto, pior incidente com armas químicas no mundo desde o ataque a curdos do Iraque em 1988.

1º de outubro: Inspetores que destruirão armas químicas chegam à Síria

Fora dos holofotes: Debate sobre armas químicas ofusca crise humanitária síria

Assad tem até meados de 2014 para destruir todo o seu arsenal químico.

A missão da Opaq ocorre em meio a uma guerra civil que já dura mais de dois anos e meio e deixou mais de 100 mil mortos. Havia preocupações de que não houvesse condições para um desarmamento efetivo, mas a Opaq diz que as autoridades sírias estão cooperando.

Leia tudo sobre: mundo árabesíriaarmas químicasopaqprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas