Ataques com carros-bomba têm se tornado corriqueiros na guerra civil síria, que já deixou mais de 100 mil mortos

Um carro-bomba que explodiu em um reduto rebelde no noroeste da Síria deixou ao menos 15 mortos e feriu dezenas nesta segunda-feira (14). O ataque provocou pânico nas ruas da cidade de Darkoush, na província de Idlib, próxima da fronteira com a Turquia, segundo informaram grupos ativistas.

Conheça a nova home do Último Segundo

Imagem captada de vídeo mostra região de Idlib, na Síria, após explosão de carro-bomba
AP
Imagem captada de vídeo mostra região de Idlib, na Síria, após explosão de carro-bomba

O Observatório Sírio de Direitos Humanos e os Comitês de Coordenação Locais apresentaram números diferentes de mortes causadas na explosão. Segundo o Observatório, o ataque matou 27, enquanto de acordo com os Comitês, 15.

No domingo: Grupo armado sequestra funcionários da Cruz Vermelha na Síria

Human Rights Watch: Rebeldes sírios cometeram crimes de guerra

Um vídeo amador publicado na página do Facebook dos Comitês de Coordenação Locais mostrou vários carros pegando fogo em uma rua repleta de escombros. Pessoas foram vistas correndo em pânico enquanto uma forte fumaça tomava conta do local. Outro vídeo mostra homens carregando dois corpos antes de colocá-los sob cobertores.

Ataques com carros-bomba estão se tornando cada vez mais comuns na guerra civil síria, que agora está em seu terceiro ano. O conflito já matou mais de 100 mil.

MSF: Brasileiras desafiam guerra na Síria para cuidar de civis necessitados

Chanceler na ONU : 'Não há guerra civil na Síria', diz chanceler do país na ONU

Veja imagens do conflito sírio:

No domingo, dois carros-bomba explodiram próximo ao prédio da TV estatal em Damasco. A agência de notícias Sana disse que a sede da TV na PRaça Umayyad foi danificada no ataque, mas que não houve mortes.

Grande parte do interior da província de Idlib, bem como o restante do norte da Sìria, está nas mãos dos rebeldes, muitos deles extremistas islâmicos, e sequestros se tornaram comuns, sendo os principais alvos jornalistas estrangeiros e funcionários de agências humanitárias.

Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.