Em meio a distúrbios, Egito marca julgamento de Morsi para novembro

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente deposto é acusado de ter incitado violência contra opositores durante seu mandato no Egito

O presidente deposto do Egito Mohammed Morsi vai a julgamento em 4 de novembro acusado de incitar a violência contra seus opositores enquanto estava na presidência, anunciou um tribunal egípcio nesta quarta-feira (9).

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Partidários do Grupo Islâmico libanês penduram grande retrato do presidente deposto no Egito Mohammed Morsi em Beirute, Líbano (foto de arquivo)

Após confrontos violentos: Ataques deixam ao menos nove mortos no Egito

Egito: Confrontos deixam 51 mortos e mais de 240 feridos em protestos

Morsi foi deposto em um golpe militar em 3 de julho e está mantido preso e incomunicável em uma localização desconhecida. Ele não foi visto, embora tenha falado com sua família duas vezes e tenha recebido as visitas da chanceler da União Europeia Catherine Ashton e de uma delegação africana.

Catorze outros membros da Irmandade Muçulmana serão julgados ao lado de Morsi, incluindo assessores importantes e líderes do grupo.

Sexta: Manifestantes entram em confronto no Egito durante marcha pró-Morsi

Justiça: Tribunal do Egito proíbe atividades da Irmandade Muçulmana

O Tribunal de Apelação do Cairo também indicou o juiz Ahmed Sabry Yousseff para presidir o julgamento, segundo a agência estatal de notícias do país, Mena.

O advogado Mostafa Atteyah disse que uma reunião da equipe que defenderá Morsi, que deverá se reunir ainda nesta quarta, decidirá sobre o curso da ação e o nome do chefe da equipe. Ele disse que os advogados não tiveram acesso aos documentos do processo até o momento.

"É como todos os outros processos. É fabricado", disse Atteyah, acrescentando que outros processos contra membros da Irmandade Muçulmana são baseados em evidências fracas. 

Cairo: Tropas do Egito fazem ofensiva contra reduto islamita

Violência: Egito estende estado de emergência por mais dois meses

As acusações de Morsi remontam a um dos principais ataques de violência durante seu mandato. Ao menos 100 mil manifestantes se reuniram em frente ao palácio presidencial em 4 de dezembro para protestar contra um decreto que protegia as decisões de Morsi do crivo judicial. 

No dia seguinte, grupos islamitas e partidários de Morsi atacaram manifestantes acampados do lado de fora do palácio presidencial, provocando batalhas de ruas que deixaram 10 mortos.

A promotoria acusa Morsi de incitar seus partidários e auxiliares a matar seus opositores para colocar fim ao acampamento.

Veja imagens do Egito desde a queda de Morsi:

Forças de segurança do Egito fazem guarda em frente da Universidade Islâmica Al-Azhar no Cairo (30/10). Foto: APForças de segurança do Egito e civis seguram um partidário do presidente deposto Mohammed Morsi perto da Praça Ramsis, no Cairo (7/10). Foto: APConfrontos entre apoiadores e opositores do presidente deposto do Egito, Mohamed Mursi, deixam mortos e feridos (6/10). Foto: Amr Abdallah Dalsh/ReutersPartidários do presidente egípcio deposto Mohammed Morsi gritaram palavras de ordem contra o ministro da Defesa do país durante marcha (4/10). Foto: APForças de segurança do Egito protegem o corpo do General Nabil Farrag morto por militantes que abriram fogo em Kerdasa  (19/9). Foto: APPartidários do presidente egípcio deposto Mohammed Morsi protestam em Nasr City, no Cairo (13/9). Foto: APExército do Egito ataca militantes islâmicos no norte do Sinai (7/9). Foto: APPessoas observam carro queimando momentos depois que um atentado à bomba atingiu o comboio do ministro do Interior do Egito, Mohammed Ibrahim (5/9). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi cobram para se proteger de gás lacrimogêneo lançado por polícia no Cairo, Egito (30/8). Foto: APManifestantes que apoiam o líder deposto Mohammed Morsi ajudam ferido perto de Praça Ramsés, no Cairo (16/8). Foto: ReutersPartidário de Mohammed Morsi se desespera enquanto amigo que foi ferido pelas forças de segurança recebe tratamento em mesquita no Cairo, Egito (16/8). Foto: NYTEgípcios velam corpos de seus parentes mortos em massacre de quarta-feira na mesquita Al-Fath, no Cairo (16/8). Foto: APCivil carregando uma arma observa movimento da rua no bairro de Zamalek no Cairo, Egito (16/8). Foto: APPartidários de Mohammed Morsi gritam palavras de ordem contra Exército durante confrontos no bairro de Mohandessin, no Egito (14/8). Foto: APForças de segurança do Egito prende manifestantes durante remoção de acampamento de partidários do islamita Mohammed Morsi em Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APHomem é ferido durante confronto no Egito (27/7). Foto: APPartidários do chefe do Exército egípcio, general Abdel-Fatah el-Sissi, se manifestam em ponte que leva à Praça Tahrir, no Cairo (26/7). Foto: APHomem de joelhos agita bandeiras do Egito  em uma ponte que leva à Praça Tahrir, no Cairo (26/7). Foto: APOpositores do presidente deposto Mohammed Morsi carregam amigo ferigo em confrontos com partidários de Morsi no Cairo (23/7). Foto: APOponentes do presidente deposto Mohammed Morsi queimam pôsteres com sua foto durante confrontos no Cairo, Egito (22/03). Foto: APEgípcio com uma pistola e opositores do presidente Mohammed Morsi detêm um suposto partidário de Morsi que foi ferido em confrontos no Cairo (22/7). Foto: APPartidários do presidente deposto do Egito Mohammed Morsi jogam pedras em opositores de Morsi durante confrontos em uma ponte no centro do Cairo (15/7). Foto: APMembros da Irmandade Muçulmana protestam com máscaras de Morsi no Cairo, no Egito (13/7) . Foto: ReutersPartidária de Mohammed Morsi coloca faixa na cabeça (12/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi rezam depois da quebra do jejum durante o mês sagrado do Ramadã em Nasr City, Cairo, Egito (12/7). Foto: APPartidários do presidente deposto do Egito Mohammed Morsi seguram seus cartazes em protesto perto da Universidade do Cairo, no Egito (12/7). Foto: APVoluntários usando coletes amarelos protegem mulheres na praça Tahrir (8/7). Foto: APEgípcio chora do lado de fora de necrotério depois de carregar o corpo de seu irmão morto perto da Guarda Republicana no Cairo (8/7). Foto: APHomem mostra camiseta ensanguentada de partidário do presidente deposto Mohammed Morsi do lado de fora de hospital no Cairo (8/7). Foto: APMédico egípcio partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em hospital em Nassr City, Cairo (8/7). Foto: APCorpo de partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em ambulância no Cairo, Egito (8/7). Foto: APHomem chora em hospital improvisado depois de soldados e policiais abrirem fogo contra partidários de líder deposto Morsi (8/7). Foto: APOponentes do presidente deposto Mohammed Morsi se manifestam na Praça Tahir, no Cairo, Egito (7/7). Foto: APOponentes de Mohammed Morsi se reunem na Praça Tahir, no Cairo, no domingo (7/7). Foto: APEgípcias choram durante enterro de oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi, que foram mortos durante confrontos no Cairo (6/7). Foto: APPartidária do presidente deposto Mohammed Morsi segura no Cairo retrato em que se leem: 'legitimidade é uma linha vermelha' e 'saia Sissi, Morsi é meu presidente' (6/7). Foto: APManifestantes contrários ao presidente deposto Mohammed Morsi arremessam pedras durante confrontos com membros da Irmandade e partidários de Morsi no Cairo (5/7). Foto: ReutersPartidários e oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi entram em confronto na ponte 6 de Outubro, perto de Maspero, Cairo (5/7). Foto: APManifestantes islâmicos, um deles com o retrato do presidente deposto Mohammed Morsi, mostram mãos sujas de sangue após disparos do Exército no Cairo (5/7). Foto: APManifestantes que apoiam o presidente deposto Mohammed Morsi correm em meio ao gás lacrimogêneo lançado pelas forças de segurança no Cairo (4/7). Foto: ReutersPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi participam de manifestação perto da Universidade do Cairo, Egito (4/7). Foto: APPartidária segura pôster do presidente deposto Mohammed Morsi no qual se lê 'Sissi traidor', em referência ao chefe do Exército, em marcha em Nasser (4/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi gritam perto da praça da mesquita de Raba El-Adwyia, no Cairo (4/7). Foto: ReutersMembros da Irmandade Muçulmana e partidários de presidente deposto Mohammed Morsi protestam durante cerimônia de posse de líder interino no Cairo (4/7). Foto: Reuters

Deposta com Morsi: Irmandade Muçulmana surgiu em resposta a rei farrista

Autoridades da Irmandade e os políticos de seu partido negaram ter usado violência e disseram que seus partidários estavam defendendo o palácio. Eles acusaram os opositores de ter dado início aos confrontos.

O julgamento do primeiro egípcio eleito livremente presidente é parte de uma intensa repressão contra a Irmandade, que já teve seus líderes e principais figuras presos e sendo julgados.

Com AP

Leia tudo sobre: egitomundo árabeprimavera árabemorsiqueda de morsi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas