Na Assembleia Geral, Walid Moallem comparou 'invasão estrangeira' contra Síria a ataques do 11 de Setembro

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid Moallem, afirmou em seu discurso na 68ª Assembleia Geral da ONU que Damasco é vítima de terroristas, e comparou a violência contra seu país aos ataques de 11 de setembro de 2011 nos EUA.

Assad: Síria vai respeitar acordos da ONU sobre armas químicas

Fora dos holofotes: Debate sobre armas químicas ofusca crise humanitária

Vice-premiê sírio Walid al-Moualem faz pronunciamento durante a 68ª Assembleia Geral da ONU
AP
Vice-premiê sírio Walid al-Moualem faz pronunciamento durante a 68ª Assembleia Geral da ONU

Armas químicas: Conselho de Segurança da ONU aprova resolução síria

"Não há guerra civil na Síria, mas há uma guerra contra o terror que não reconhece valores, justiça, igualdade e desconsidera quaisquer direitos ou leis", afirmou o chanceler Walid Moallem. 

Em discurso, Moualem também disse que "terroristas de mais de 83 países estão envolvidos na matança de nosso povo e nosso Exército sob o apelo da jihad ( guerra santa ) global Takfiri ( Takfiri se refere ao muçulmano infiel ou não-praticante )".

Armas químicas sírias: Rússia e EUA chegam a acordo sobre resolução na ONU

Outros supostos ataques: Inspetores de armas químicas da ONU retornam à Síria

A ONU afirma que mais de 100 mil pessoas morreram na guerra civil síria, que já dura dois anos e meio. O levante começou em março de 2011, quando o governo tentou sufocar manifestações pró-democracia. Atualmente mais de metade dos 20 milhões de sírios precisa de ajuda.

"O povo de Nova York testemunhou as devastações do terrorismo e foi consumido no fogo do extremismo e do derramamento de sangue, da mesma maneira que estamos sofrendo agora na Síria", disse Moualem, referindo-se aos ataques de 11 de Setembro.

Armas sírias: Acordo enfraquece EUA ao legitimar Assad e dar vitória à Rússia

Rússia: Relatório da ONU não prova que Síria ordenou ataque químico

"Como alguns países, atingidos pelo mesmo terrorismo que sofremos agora na Síria, podem afirmar que combatem o terrorismo em todo o mundo enquanto o apóiam em meu país?", indagou.

O governo do presidente Bashar Al-Assad acusa Turquia, Arábia Saudita, Catar, Reino Unido, França e os EUA de armar, financiar e treinar forças rebeldes na Síria.

Moualem descartou a ideia de que haja rebeldes moderados em seu país, que as potências ocidentais dizem ser aqueles que pretendem apoiar. "As afirmações sobre a existência de militantes moderados e extremistas se tornaram uma piada de mau gosto", disse ele na assembleia de 193 nações. "Terrorismo é terrorismo. Não pode ser classificado como moderado e extremista."

Jihadistas na Síria

Moualem também mencionou vídeos perturbadores publicados na internet no início do ano nos quais um rebelde come o que parece ser o coração de um soldado do governo.

Unicef:  Cresce trabalho infantil entre refugiados sírios no Líbano

"As cenas de assassinato, massacre, de corações humanos sendo devorados foram mostradas na TV, mas não tocaram consciências cegas", afirmou. "Há civis inocentes cujas cabeças foram postas em grelhas só porque violaram a ideologia extremista e as visões distorcidas da Al-Qaeda", disse.

"Na Síria há assassinos que desmembram pessoas vivas e enviam os membros às famílias, só porque esses cidadãos estão defendendo uma Síria unificada e secular", declarou Moualem.

16 de setembro: Relatório da ONU confirma uso de gás sarin na Síria

EUA e Reino Unido: Relatório da ONU mostra que Síria lançou ataque químico

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

No início deste mês, investigadores de direitos humanos da ONU disseram que desde julho rebeldes sírios linha-dura e combatentes estrangeiros, invocando a jihad, aumentaram os assassinatos, execuções e outros abusos no norte do país.

Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU obteve um raro momento de unidade a respeito da guerra síria aprovando uma resolução que exige a eliminação do arsenal químico da Síria até meados de 2014.

A Rússia, aliada de Assad, também apoiou a medida, baseada em um plano que EUA e Rússia acordaram em Genebra.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.