Cresce trabalho infantil entre refugiados sírios no Líbano, diz Unicef

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao contrário de outros anfitriões, País não tem campos de refugiados formais para oferecer uma rede de proteção aos sírios

Reuters

Refugiados sírios no Líbano estão se valendo cada vez mais do trabalho infantil para sustentar suas famílias, disse uma diretora do Unicef, agência da ONU para a infância.

Ao contrário de outros países anfitriões, o Líbano não tem campos de refugiados formais para oferecer uma rede de proteção aos sírios. Muitos estão trabalhando para assegurar comida, água potável e abrigo para suas famílias, e as crianças correm o risco de serem tiradas da escola para entrarem na força de trabalho.

Leia também: Síria entrega dados sobre suas armas químicas para órgão fiscalizador da ONU

Nahum Sirotsky: Desacordo sobre autoria de ataque alimenta impasse na Síria

EUA: Secretário de Estado responsabiliza regime sírio por ataque químico

"As famílias estão pobres e destituídas após dois anos e meio de guerra.Com frequência, para continuar morando aqui elas têm muitos gastos que precisam pagar, e o resultado é que as crianças têm de trabalhar", disse Maria Calivis, diretora regional do Unicef para o Oriente Médio e Norte da África.

"Muitas das crianças precisam de um salário para ajudar seus parentes a terem o suficiente para alimentá-las", acrescentou ela em entrevista na quinta-feira.

Calivis disse que, de cerca de 400 mil crianças registradas como refugiadas, apenas um quarto está matriculado em escolas públicas, e que cabe a organizações humanitárias atender as demais. Muitos dos alunos fora do sistema público moram em acampamentos informais, sem salas de aula permanentes.

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

O Líbano não autorizou órgãos humanitários a instalarem campos de refugiados normais, em parte por relutância em tornar a crise mais visível. Os libaneses também se lembram com pesar da sua experiência com campos de refugiados palestinos que receberam a infiltração de militantes durante a guerra civil do país, entre 1975 e 90.

Leia o especial do iG sobre refugiados sírios no Brasil:

No Brasil, refugiado sonha em voltar para Síria e 'começar do negativo'
Família síria paga US$ 10 mil para acelerar fuga de menino ao Brasil
Refugiado no Brasil teve unhas arrancadas em sessões de tortura na Síria

"Não podemos ter barracas permanentes (como salas de aula)", disse Calivis. "Toda noite, retiramos as tendas, e de manhã as montamos de novo. Então imagine, são 365 dias, levantando e desmontando tendas, para 300 mil alunos refugiados."

A ONU estima que haja 750 mil refugiados da síria no Líbano, e prevê que a cifra pode chegar a 1,6 milhão até o final de 2014, o que seria 37 por cento da população libanesa anterior à crise.

Leia tudo sobre: SíriaArmas químicasrefugiadosmundo árabeprimavera árabeLíbano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas