Ataque químico na Síria foi uma 'provocação astuta' dos rebeldes, diz Putin

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente russo voltou a discordar de uma intervenção militar na Síria, porque 'violaria lei internacional'

A Rússia tem fortes razões para acreditar que os rebeldes sírios foram responsáveis pelo ataque químico no país, afirmou nesta quinta-feira (19) o presidente Vladimir Putin - uma alegação contestada fortemente por governos ocidentais.

Da Síria: Rússia diz ter recebido provas de que oposição usou armas químicas

Rússia: Relatório da ONU não prova que Síria ordenou ataque químico

AP
Presidente Vladimir Putin faz pronunciamento durante evento nas Colinas de Valdai, Rússia

Análise: Acordo enfraquece EUA ao legitimar Assad e dar vitória à Rússia

Sábado: Acordo entre EUA e Rússia prevê destruir arsenal químico sírio em 2014

Em um conferência, Putin disse que "temos toda a razão para acreditar que foi uma provocação, uma astuta e engenhosa provocação". Ele acrescentou, entretanto, que os autores se utilizaram de tecnologia "primitiva", usando munições da época soviética, que não mais existem no inventário do Exército sírio.

Os EUA, o Reino Unido, a França e outros governos acreditam que o relatório entregue por inspetores de armas químicas da ONU prova que o ataque foi lançado pelas tropas da Síria. O relatório da ONU divulgado na segunda-feira confirmou o uso de armas químicas na Síria, mas não atribuiu culpa a nenhum dos dois lados.

Autoridade da Síria: Acordo entre EUA e Rússia é 'vitória' para Damasco

Obama: 'EUA seguem preparados para agir se diplomacia com Síria fracassar'

Putin expressou otimismo quando questionado se ele confiava que o presidente da Síria, Bashar al-Assad, cumprirá o plano da Rússia para entregar suas armas químicas ao controle internacional, evitando um ataque dos EUA. Ele disse que as atitudes tomadas por Damasco até agora dão razões para se acreditar que a iniciativa será implementada.

"Não posso ter 100% de certeza que vamos conseguir dar um fim (na guerra), mas o que vimos nos últimos dias nos dão confiança de que (o acordo) será cumprido", disse Putin.

Desafio: Desmantelar arsenal químico sírio seria tarefa árdua

Primeiros passos: ONU recebe pedido da Síria para aderir à convenção

Respondendo a uma pergunta sobre o que aconteceria se o governo Assad quebrasse sua promessa, Putin disse que "nós não temos razão para acreditar que eles vão falhar em cumprir com suas obrigações". "Vamos discutir sobre isso se eles falharem, mas é prematuro falar sobre o assunto."

Questionado se a lista de armas químicas que será entregue por Assad será confiável, o primeiro-ministro Dmitri Medvedev disse que Damasco terá "que fazer o seu melhor para convencer a comunidade internacional de que a lista que eles apresentarem é completa e que uma verificação eficiente e um controle possam ser oferecidos".

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Falando em Moscou, Medvedev buscou enfatizar que a Rússia não pode ser responsabilizada sozinha pelo sucesso do plano. "A responsabilidade (para o sucesso do plano) não mudou para a Federação Russa", disse Medvedev. "É nossa responsabilidade conjunta" e não "somente responsabilidade da Federação russa."

Putin insistiu que a Rússia se opõe fortemente a um ataque americano contra a Síria, porque ele violaria princípios básicos da lei internacional e diminuiria o papel da ONU, e não porque está tentando manter Assad no poder.

Proposta: Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque

Resposta: Síria 'aceita proposta russa de entrega de armas químicas'

"Não temos interesses exclusivos na Síria que buscaríamos proteger defendendo o atual governo", disse Putin. "Estamos nos esforçando para preservar os princípios da lei internacional."

Veja imagens do ataque químico na Síria de 21 de agosto:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Ele afirmou que durante suas discussões com líderes ocidentais eles não conseguiram responder sua pergunta sobre o que o Ocidente faria se militantes ligados a Al-Qaeda conseguissem derrubar o governo Assad e tomassem o poder na Síria.

"Qual é o sentido de lançar um ataque se você não sabe como isso vai terminar?", questionou Putin.

Com AP

Leia tudo sobre: mundo árabeprimavera áraberússiaputinsíriaassadeuaarmas químicas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas