Equipe de inspetores de armas químicas da ONU planeja retorno à Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Equipe investigará outros supostos usos de armas deste tipo no país; potências farão nova reunião na ONU

O chefe da equipe da ONU que inspeciona armas químicas afirmou que sua equipe retornará para a Síria "dentro de semanas" para completar a investigação iniciada antes do ataque de 21 de agosto, sobre o uso de armas químicas em outros episódios no país.

AP
Ake Sellstrom, chefe da equipe de armas químicas que trabalhou na Síria, entrega o relatório sobre o massacre de Al-Ghouta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon (15/9)

Ake Sellström disse à agência Associated Press na quarta-feira (18) que sua equipe vai avaliar as "acusações de uso de armas químicas dos dois lados, mas também principalmente do lado do governo sírio".

Ele disse que não acredita que há uma necessidade de mais investigações em relação ao ataque de 21 de agosto, mas afirmou que "se recebermos qualquer informação adicional, será incluída no nosso próximo relatório". Ele se recusou a especificar em quais locais os inspetores farão suas análises e sobre que eventos eles pesquisariam.

Na terça-feira, o relatório produzido pela equipe de Sellström foi divulgado pela ONU, confirmando o uso de gás sarin no ataque de 21 de agosto lançado contra redutos rebeldes nos arredores de Damasco - que segundo os EUA deixou mais de 1,4 mil mortos - mas sem responsabilizar nenhum dos lados do conflito.

Os EUA, o Reino Unido e a França afirmaram que o relatório da ONU prova que o regime sírio foi o autor do ataque, uma vez que, segundo esses países, somente as tropas do presidente Bashar al-Assad teriam condições e acessos necessários para fazê-lo.

AP
Estudante usa máscara de gás durante aula sobre como responder a um ataque de armas químicas em Aleppo, Síria (18/9)

A Rússia discordou dos aliados do ocidente e, nesta quarta, uma autoridade do país - o maior aliado da Síria - afirmou que recebeu de Damasco novas "provas materiais" de que rebeldes opositores ao regime usaram as armas químicas.

O vice-ministro das Relações Exteriores do país, Sergei Ryabkov, afirmou também que o relatório dos inspetores da ONU foi "politizado, tendencioso e unilateral".

Também nesta quarta-feira, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU — França, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Rússia e China — vão se reunir novamente em Nova York para discutir uma resolução sobre as armas químicas sírias. Eles discutem uma proposta de resolução sugerida pelo Reino Unido, França e EUA.

A resolução seria um passo importante no plano acertado pelos EUA e pela Rússia, segundo o qual a Síria revelaria seu arsenal em uma semana e teria um prazo até meados de 2014 para eliminá-lo. Porém já há desavenças importantes sobre os termos usados na resolução.

França, Reino Unido e EUA querem uma resolução que contenha a ameaça de uma ação militar caso a Síria não cumpra o acordo, mas a Rússia se opõe a isso. Rússia e China já bloquearam anteriormente três resoluções contra a Síria propostas por países ocidentais.

Enquanto isso, na província de Idlib, que faz fronteira com a Turquia, ativistas informaram sobre o assassinato de 11 civis pelo Exército, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

O órgão disse que na região nordeste, próximo à fronteira com a Turquia, militantes curdos capturaram a vila de Alok, antes sob poder de um grupo ligado à Al-Qaeda, após quatro dias de intensa confronto em mais um dos numerosos conflitos localizados.

Mais de 100 mil pessoas já morreram desde o início do levante contra o presidente Assad, em 2011. Milhões de sírios já fugiram do país, principalmente para países vizinhos. Outros milhões se deslocaram internamente na Síria para fugir do conflito.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: armas químicassíriamundo árabeprimavera áraberússiaeuaonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas