Acordo entre EUA e Rússia é 'vitória' para Damasco, diz autoridade da Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ministro foi primeiro membro do regime de Assad a falar sobre plano para a entrega de armas químicas

Uma autoridade de alto escalão da Síria elogiou neste domingo (15) o acordo firmado entre EUA e Rússia para colocar as armas químicas sírias sob o controle internacional, caracterizando-o como uma "vitória" para Damasco. Os comentários do ministro da Reconciliação Nacional Ali Haidar para uma agência estatal russa de notícias foram os primeiros de uma autoridade do governo sírio sobre o plano acordado no sábado em Genebra.

Obama: 'EUA seguem preparados para agir se diplomacia com Síria fracassar'

Sábado: Acordo entre EUA e Rússia prevê destruir arsenal químico sírio em 2014

AP
John Kerry e Sergei Lavrov chegaram a um acordo em Genebra sobre crise na Síria

Chefe da ONU: Relatório confirmará uso de armas químicas na Síria

Kerry: Negociações de paz na Síria dependem de acordo sobre armas químicas

Segundo o acordo, a Síria fornecerá um inventário de seu estoque de armas químicas dentro de uma semana e entregar todos os componentes do programa até 2014.

"Elogiamos esses acordos", disse Haidar, segundo informou agência RIA Novosti. "Por um lado, eles ajudarão os sírios a sair da crise, e por outro, evitam uma guerra contra a Síria retirando o pretexto para aqueles que querem desencadear (um conflito)."

Secretário de Estado dos EUA: 'Palavras do regime sírio não são suficientes'

Primeiros passos: ONU recebe pedido da Síria para aderir à convenção

Não houve nenhum comunicado oficial do governo sírio, e não ficou claro se os comentários de Haidar refletem a opinião do presidente Bashar al-Assad.

O acordo, estipulado após uma maratona de negociações entre diplomatas russos e americanos, evita os ataques dos EUA contra o regime Assad, embora o governo Obama tenha alertado que o uso da força continua possível caso Damasco não cumpra com os pontos estabelecidos.

Entrevista: Assad nega que entregará armas químicas por pressão dos EUA

Desafio: Desmantelar arsenal químico sírio seria tarefa árdua

"A ameaça da força é real e o regime Assad e todos aqueles que fazem parte precisam entender que o presidente Obama e os EUA estão comprometidos a atingir esse objetivo", disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, neste domingo em Jerusalém, onde ele passou informações a autoridades israelenses sobre o acordo.

Ele também disse que se o acordo fosse bem-sucedido, "definirá um padrão de comportamento em relação ao Irã e a Coreia do Norte e qualquer outro Estado pária, (ou) grupo que tentar alcançar esse tipo de armas".

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Os EUA acusam o governo Assad de estar por trás de um ataque químico contra subúrbios rebeldes de Damasco em 21 de agosto que, segundo Washington, matou mais de 1,4 mil sírios. Outras estimativas em relação ao número de mortos são bem menores. O governo sírio nega as acusações e culpa os rebeldes.

A suspeita do uso de armas químicas levantou a possibilidade de uma ação militar liderada pelos EUA contra a Síria. Os rebeldes esperavam que tal ação mudaria o equilíbrio da guerra civil em seu favor. Mas no momento em que os ataques pareciam iminentes, Obama abruptamente decidiu buscar apoio do Congresso para uma autorização, adiando a retaliação militar.

Proposta: Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque

Resposta: Síria 'aceita proposta russa de entrega de armas químicas'

A Rússia então propôs que a Síria entregasse seu arsenal químico para evitar ataques do Ocidente, e o regime Assad rapidamente concordou. Moscou e Washington então estabeleceram um acordo no sábado para colocar as armas químicas sob controle e destruí-las posteriormente.

Para a oposição na Síria, o acordo foi uma decepção, pois esperavam que uma ação militar pudesse conter a guerra civil que, nesses mais de dois anos, deixou 100 mil mortos e obrigou 2 milhões a buscar refúgio fora do país.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

O acordo entre EUA e Rússia ganhou apoio ao redor do mundo, incluindo da China, um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. A França também elogiou o acordo, mas o chanceler do país Laurent Fabius fez um alerta durante sua visita neste domingo a Pequim de que ele era apenas "a primeira fase".

No Cairo, a Liga Árabe também aprovou o acordo. O secretário-geral Nabil Elaraby disse que o plano ajuda um movimento em direção a uma solução política para a crise. "Todas as partes são capazes e influentes o suficiente para fazer sua parte no Conselho de Segurança da ONU para garantir um cessar-fogo na Síria... e para realizar negociações em Genebra para alcançar uma solução pacífica para a crise síria", disse em comunicado.

A Alemanha ofereceu ajuda neste domingo para destruir as armas químicas sírias. O chanceler Guido Westerwelle disse em comunicado que Berlim "está preparada para dar uma contribuição técnica ou financeira para a desrtuição das armas químicas da Síria". Ele não deu detalhes, mas autoridades dizem que a Alemanha já ajudou a destruir as armas químicas na Líbia e em outros países.

Com AP

Leia tudo sobre: armas químicasacordo eua rússiarússiaeuaobamaassadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas