Síria entrará na convenção que proíbe armas químicas em outubro, diz ONU

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Entrada de Síria em tratado é parte de proposta russa para que país árabe evitasse intervenção militar dos EUA

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou neste sábado que recebeu todos os documentos necessários para que a Síria se junte à convenção contra as armas químicas, o que deve acontecer a partir de 14 de outubro.

Obama: 'EUA seguem preparados para agir se diplomacia com Síria fracassar'

Sábado: Acordo entre EUA e Rússia prevê destruir arsenal químico sírio em 2014

BBC
Segundo diversos países, ataque com armas químicas teria matado centenas em agosto (21/8)

Chefe da ONU: Relatório confirmará uso de armas químicas na Síria

Kerry: Negociações de paz na Síria dependem de acordo sobre armas químicas

"A Convenção entrará em vigor para a República Árabe da Síria no trigésimo dia após a data do depósito do instrumento de adesão, ou seja, em 14 de outubro de 2013," a assessoria de imprensa da ONU disse em comunicado.

Na quinta-feira (12), a ONU informou que tinha recebido uma carta da Síria demonstrando sua intenção de aderir à convenção internacional contra as armas químicas, algo que o governo de Bashar al-Assad garantiu como parte de um acordo para evitar um ataque dos EUA.

Secretário de Estado dos EUA: 'Palavras do regime sírio não são suficientes'

Primeiros passos: ONU recebe pedido da Síria para aderir à convenção

O documento foi enviado à sede da ONU dois dias depois que a Síria anunciou que estava preparada para assinar o tratado internacional, o que há muito tempo rejeitava. A Convenção das Armas Químicas requer que todas as partes do tratado declarem e destruam quaisquer armas químicas que possuírem.

Neste sábado, os EUA e a Rússia chegaram a um acordo sobre o destino do arsenal químico sírio. O secretário americano de Estado, John Kerry, anunciou em Genebra, na Suíça, os seis pontos acordados Moscou para que a Síria entregue já na próxima semana uma lista com a relação de todo o seu arsenal químico. 

Entrevista: Assad nega que entregará armas químicas por pressão dos EUA

Desafio: Desmantelar arsenal químico sírio seria tarefa árdua

A previsão dos países é que todo arsenal do regime Assad seja destruído até 2014. O acordo prevê também o retorno de inspetores à Síria até novembro. Se a Síria não concordar, o acordo estabelece uma resolução com amparo da ONU que imponha sanções ou uso de força militar.

No fim do mês passado, Obama ameaçou atacar militamente a Síria como retaliação ao ataque de 21 de agosto, dizendo que o uso de armamento químico não poderia passar incólume. Mas em uma reviravolta surpreendente, ele recuou do ataque para buscar apoio do Congresso , mas grande parte dos legisladores dos dois partidos parecia pouco disposta a aprovar a autorização para a intervenção.

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Proposta: Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque

Resposta: Síria 'aceita proposta russa de entrega de armas químicas'

Depois que a Síria concordou com uma proposta russa de colocar suas armas químicas sob o controle internacional, Obama pediu ao Congresso para adiar a votação, permitindo negociações entre o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o chanceler russo, Sergei Lavrov.

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabeassadarmas químicasonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas