Assad confirma que Síria aprovou proposta russa de ceder armas químicas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente da Síria negou que decidiu entregar armas químicas por causa da pressão militar dos EUA

O presidente sírio Bashar al-Assad concordou publicamente com um plano russo de entregar suas armas químicas ao controle internacional, mas disse que a proposta somente funcionaria se os EUA suspenderem as ameaças de ação militar. 

Assad também disse, em entrevista a uma TV russa, que seu governo começará a fornecer dados sobre seu estoque de armas químicas um mês depois de assinar uma convenção proibindo tais armamentos. A ONU afirmou ter recebido nesta quinta uma carta da Síria demonstrando sua intenção de fazer parte do tratado.

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

AP
Foto sem data divulgada nesta segunda pela agência oficial Sana mostra o presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista

Diálogo com a Rússia: EUA avaliarão viabilidade de entrega de armas sírias

Fontes: Rússia entrega aos EUA plano sobre armas químicas da Síria

O líder sírio acrescentou que a decisão da Síria de ceder o controle de suas armas químicas à comunidade internacional foi resultado da proposta russa e não da ameaça de intervenção militar americana.

"A Síria está colocando suas armas químicas sob o controle internacional por causa da Rússia. As ameaças dos EUA não influenciaram a decisão", disse Assad na entrevista ao canal estatal russo Rossiya-24. A entrevista completa com o líder sírio vai ao ar na noite desta quinta-feira.

Análise: Debate diplomático ofusca desastre humanitário na Síria

Entenda: Por que a Rússia e a China apoiam a Síria?

Ele acrescentou que o processo é "bilateral" e sugeriu que apenas funcionaria se os EUA suspenderem suas ameaças de agir militarmente contra a Síria. Os comentários de Assad foram feitos no mesmo dia em que a discussão por uma saída diplomática entrou em um novo capítulo nesta quinta-feira, com o encontro do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em Genebra na Suíça.

Os dois, que estão acompanhados de especialistas, discutirão a viabilidade da proposta russa para a entrega das armas químicas da Síria ao controle internacional. Uma autoridade americana disse que a tarefa da entrega de armas é "factível, mas difícil e complicada".

Ao NYT: Presidente da Rússia faz apelo a povo americano contra ação na Síria

AP
Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, acena ao chegar em Genebra, Suíça

Em vez de apelo por ação: Discurso de Obama coloca ataque à Síria em espera

Discurso: Obama analisa acordo diplomático, mas reforça razões para ataque

Os EUA acusam o regime sírio de ter perpetrado um ataque químico contra redutos rebeldes próximos a Damasco que, segundo o governo americano, deixaram mais de 1,4 mil mortos. A Síria nega, e afirma que os rebeldes, e não suas tropas, foram responsáveis pelo ataque.

Enquanto os EUA buscavam apoio no Congresso para lançar um ataque punitivo contra o regime de Assad, a Rússia propôs que a Síria entregasse as armas químicas para evitar a intervenção militar americana. Horas depois, a Síria concordou com a ideia, e agora Moscou e Washington discutem a viabilidade de manter o arsenal químico sírio em segurança. A proposta foi feita pela Rússia logo depois de Kerry ter afirmado que a Síria poderia evitar a retaliação militar caso entregasse suas armas para posterior destruição.

Divisões: Busca de resolução para Síria químicas provoca divergências

Com França e Reino Unido: Obama concorda em dialogar na ONU

Nesta quinta-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que ele está esperançoso que os encontros entre Kerry e Lavrov possam "produzir um resultado concreto" para a Síria. Obama falou sobre a Síria no início de um encontro de gabinete na Casa Branca.

Os EUA esperam que um acordo aceitável com a Rússia possa ser parte de uma nova resolução no Conselho de Segurança, que coloca o regime da Síria como responsável pelo uso de armas químicas. A Rússia, entretanto, se opôs em diversas ocasiões no passado a punir a Síria, vetando resoluções menos severas, e não tem indicado que espera concordar com esta nova proposta.

Desafio: Desmantelar arsenal químico sírio seria tarefa árdua

Em um artigo publicado nesta quinta-feira no New York Times, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, escreveu: "Os EUA, a Rússia e todos os membros da comunidade internacional precisam aproveitar a vontade do governo sírio de colocar suas armas químicas sob controle internacional para subsequente destruição."

Putin fez um apelo aos americanos para que os EUA não lancem um ataque militar, dizendo: "É alarmante que a intervenção militar em conflitos internos em países estrangeiros tenha se tornado um lugar comum para os EUA."

Proposta: Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque

Resposta: Síria aceita proposta de entrega de armas químicas, diz chanceler

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

O primeiro-ministro da Turquia,Tayyip Erdogan, disse nesta quinta ter dúvidas se o presidente sírio irá cumprir a promessa de colocar o arsenal químico da Síria sob controle internacional, e disse que Assad está ganhando tempo para realizar "novos massacres".

"O regime Assad não cumpriu nenhuma de suas promessas, tem ganhado tempo para novos massacres e continua fazendo isso", disse Erdogan em discurso em Istambul. "Temos dúvidas de que as promessas sobre armas químicas serão cumpridas."

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: assadsíriamundo árabeprimavera árabearmas químicasrússiaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas