Crimes de guerra foram cometidos pelos dois lados do conflito na Síria, diz ONU

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em relatório, investigadores apontam para oito massacres praticados por tropas de Assad e um pelos rebeldes

Investigadores de direitos humanos da ONU disseram nesta quarta-feira (11) que as forças do governo sírio massacraram civis, jogaram bombas contra hospitais e cometeram outros crimes de guerra em ataques de larga escala neste ano com o objetivo de recuperar território dominado por rebeldes.

Ao menos oito massacres foram realizados pelo regime do presidente Bashar al-Assad e seus partidários e um pelos rebeldes somente no último um ano e meio, segundo relatório da comissão.

AP
Reprodução de vídeo mostra fumaça saind de prédios por causa de bombardeio em Daraa, Síria (27/8)

A investigação da comissão destaca a piora no padrão de violência contra civis, incluindo execuções e bombardeios contra hospitais, enquanto batalhas do governo para retomar territórios perdidos pelos rebeldees, incluindo combatentes islâmicos estrangeiros que também cometeram crimes de guerra.

"Os responsáveis por essas violações e crimes, de todos os lados, agiram em desafio à lei internacional. Eles não temem a responsabilização. O encaminhamento à Justiça é necessário", disse o relatório da comissão da ONU que investiga abusos de direitos humanos na Síria.

O relatório atualiza o trabalho da comissão desde 2011 até o meio de julho de 2013, pouco antes do suposto ataque químico de 21 de agosto lançado contra áreas rebeldes perto de Damasco, que deixou centenas de civis mortos.

Caracterizando a Síria como um campo de batalha, a comissão disse que em cada um dos incidentes desde abril de 2012 "o assassinato em massa intencional e a identidade dos responsáveis foram confirmados de acordo com os padões de evidências da comissão."

Os quatro especialistas independentes da comissão, coordenada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, também afirmaram que estão investigando nove outros supostos assassinatos em massa desde março. Nestes, as mortes foram confirmadas, mas os responsáveis não puderam ser identificados. Em outros casos, segundo a comissão, as circunstâncias das mortes não foram claras o suficiente para determinar se foram de fato crimes de guerra.

"Massacres e outros assassinatos fora da lei foram perpetrados com impunidade", concluiu a comissão. "Um número desconhecido de homens, crianças e mulheres desapareceram. Muitos morreram na prisão. Hospitais e escolas foram bombardeadas."

Uma lista secreta de suspeitos dos crimes está sendo produzida pela comissão e está guardada a sete chaves pela alta comissária de Direitos Humanos da ONU Navi Pillay. "É uma lista longa", disse Carla del Ponte, uma das integrantes do painel da ONU.

Os especialistas independentes afirmam ter recebido denúncias sobre o uso de armas químicas "predominantemente por forças do governo... Com as evidências disponíveis agora, não foi possível chegar a uma descoberta sobre quais agentes químicos foram utilizados, seus sistemas de disseminação e os responsáveis. Investigações continuam", diz o relatório.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

A equipe de cerca de 20 investigadores conduziu 258 entrevistas com refugiados, desertores e outros na região de Genebra, incluindo via Skype, para o 11º relatório em dois anos. Eles nunca tiveram a entrada na Síria permitida, apesar dos recorrentes pedidos.

O relatório pede uma solução política para a guerra civil na Síria e encoraja outros Estados a "interromper a transferência de armas tendo em vista o claro risco de que serão utilizadas para cometer sérias violação à lei internacional".

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabecrimes de guerraonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas