Obama concorda em dialogar na ONU sobre entrega de armas químicas sírias

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mas presidente vai ao Congresso pressionar por aprovação de plano original caso novos esforços fracassem

O presidente dos EUA, Barack Obama, expressou apoio na terça-feira (10) a um diálogo no Conselho de Segurança da ONU para encontrar uma saída diplomática que permitiria ao governo sírio evitar os possíveis ataques militares dos EUA caso entreguem seu arsenal de armas químicas, informou a agência Associated Press que ouviu fontes próximas a Casa Branca.

Ainda assim, o presidente vai ao Congresso pressionar pela aprovação de seu plano original de atacar o regime do presidente Bashar al-Assad caso os novos esforços fracassem. Obama também fará um pronunciamento à nação na noite de hoje.

Chanceler: Síria aceita proposta russa de entrega de armas químicas

À ONU: França vai propor resolução para Síria entregar armas químicas

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, caminha em direção à Sala Oval da Casa Branca em Washington

A proposta: Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque

EUA: Obama diz que proposta da Rússia sobre Síria é 'potencialmente positiva'

Obama discutiu o plano de diálogo na ONU com o presidente francês, François Hollande, e o premiê britânico, David Cameron, antes de encontrar senadores que estão cautelosos quanto a uma intervenção militar americana na guerra da Síria. Um grupo bipartidário de senadores está preparando uma resolução que pede que uma equipe da ONU remova as armas químicas da Síria, mas que permite uma ação militar dos EUA caso isso não ocorra dentro de um prazo a ser estabelecido.

Secretário dos EUA: Síria pode evitar ataque se entregar armas químicas

Segunda-feira: Síria elogia proposta russa de entregar armas químicas

O governo Obama responsabiliza o regime sírio por um ataque químico mortal perto de Damasco no mês passado, que, segundo os EUA, deixou mais de 1,4 mil mortos.

A possibilidade de uma saída diplomática fez com que o governo Assad aceitasse rapidamente um plano proposto pela Rússia, sua principal aliada, para entregar seu estoque de armas químicas. O chanceler sírio Walid al-Moallem disse que seu governo concordou com a iniciativa russa para evitar "uma agressão dos EUA".

Infográfico: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

O chanceler russo Sergei Lavrov disse que seu país trabalhava com Damasco para preparar um plano de ação detalhado, enquanto a França anunciou que proporá ao Conselho de Segurança uma resolução para verificar o desarmamento do país.

Nesta terça-feira, o secretário de Estado dos EUA John Kerry afirmou ao Congresso que os EUA ainda estavam aguardando uma proposta dos russos sobre como o plano funcionaria. Mas o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, reconheceu um potencial progresso. "Antes dessa manhã, o governo sírio nunca tinha nem reconhecido que possuía armas químicas. Agora eles admitiram", disse Carney ao canal MSNBC.

Entrevista: EUA devem 'esperar por tudo' caso ataquem Síria, diz Assad

Análise: Ataque à Síria colocaria EUA e Al-Qaeda do mesmo lado em conflito

A primeira votação no Congresso para autorizar o uso de força militar na Síria era esperada para esta quarta-feira, mas foi adiada para aguardar a proposta alternativa. Todas as partes, incluindo a Rússia, pareceram receber bem a chance de tentar uma outra solução.

Autoridades ocidentais estavam muito cautelosas de que essa nova proposta fosse uma possível tática do regime de Assad para ganhar tempo na Síria, cuja guerra civil deixou mais de 100 mil mortos e obrigou 2 milhões a buscar refúgio no exterior.

Líder por acidente: Conheça a trajetória do presidente sírio, Bashar al-Assad

Na segunda-feira, Obama afirmou a CBS que "a chave é, parafraseando Ronald Reagan, é que não apenas confiemos, mas também verifiquemos. A importância é garantir que a comunidade internacional tenha a confiança de que essas armas químicas estão sob controle, que elas não estão sendo usadas, que elas potencialmente sejam removidas da Síria e que sejam destruídas".

Especialistas: Desmantelar arsenal químico sírio seria tarefa árdua

Obama se recusou a dizer o que faria se os legisladores rejeitassem a proposta por ataques militares. A resolução original no Senado autorizaria ataques militares limitados por no máximo 90 dias e proíbe o uso de forças terrestres de atuar na Síria para combate. Muitos democratas e republicanos anunciaram sua oposição ao projeto na segunda-feira.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Pesquisa feita pela agência Associated Press, 61% dos americanos querem que o Congresso vote contra uma autorização para ataques militares na Síria. A pesquisa, realizada entre os dias 6 e 8 de setembro tem margem de erro de 3,7 pontos percentuais.

O senador John McCain, um dos maiores defensores de uma intervenção na Síria, disse estar cético sobre as intenções da Rússia. "Mas não tentar também seria um erro", disse.

Com AP

Leia tudo sobre: armas químicassíriaassadobamaeuamundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas