Rússia pede que Síria entregue armas químicas para evitar ataque dos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pedido é feito após secretário de Estado americano ter dito que entrega de arsenal químico evitaria ação dos EUA

Depois de o secretário de Estado dos EUA ter dito que a Síria poderia evitar uma ação militar contra seu país se entregasse seu arsenal químico, o chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou que vai pedir que o regime sírio de Bashar al-Assad coloque suas armas sob o controle da comunidade internacional.

Secretário dos EUA: Síria pode evitar ataque se entregar armas químicas

Resposta: Síria elogia proposta russa de entregar armas químicas

AP
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, faz pronunciamento em Moscou


Infográfico 1: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Infográfico 2: Saiba como EUA planejam ataque militar contra a Síria

Nesta segunda-feira (9), Lavrov se reuniu com o ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Moualem, em Moscou. Logo após o pedido de Lavrov, a Síria elogiou a proposta russa, mas não forneceu um cronograma nem especificou como entregaria seu arsenal químico.

O comunicado divulgado por al-Moallem aparentemente marca a primeira vez que Damasco reconheceu possuir armas químicas e reflete uma suposta tentativa de Assad de evitar uma intervenção americana. 

Esta semana: Congresso dos EUA volta do recesso e deve votar ação contra Síria

Entrevista: EUA devem 'esperar por tudo' caso ataquem Síria, diz Assad

"A Síria acolhe favoravelmente a proposta russa que demonstra preocupação com a vida do povo sírio, a segurança de nosso país, porque acredita na sabedoria da liderança russa que visa evitar agressões americanas contra nosso povo", disse Moallem. Entretanto, Moallem não deu mais detalhes no breve comunicado.

O comunicado de Moallem veio horas depois de o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, ter afirmado que Assad poderia resolver a crise em relação ao suposto uso de armas químicas por suas tropas entregando cada peça de seu arsenal para a comunidade internacional até o final dessa semana. Seus comentários surpreenderam as autoridades americanas em Washington.

Análise: Ataque à Síria colocaria EUA e Al-Qaeda do mesmo lado em conflito

Perfil: Conheça a trajetória do presidente da Síria, Bashar al-Assad

O Departamento de Estado afirmou por sua vez que os EUA iriam observar com "olhar firme" a proposta russa. A porta-voz Marie Harf disse que os EUA considerariam com "sério ceticismo", porque essa pode ser uma tática para ganhar tempo. Ela afirmou que a Síria já se recusou a destruir seu arsenal químico no passado.

Também na segunda-feira, o secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon pediu a Síria que imediatamente concorde em transferir suas armas químicas a um local seguro dentro do país para destruição pela comunidade internacional. Ban disse que ele vai propor ao Conselho de Segurança que exija uma imediata transferência das armas químicas.

Moallem e Lavrov não fizeram referência ao discurso de Kerry ao falar com a mídia após sua reunião, mas poucas horas depois, Lavrov, diante das câmeras, disse que Moscou iria exigir que a Síria imediatamente colocasse suas armas químicas sob controle internacional para sua destruição.

No Congresso: Saiba estratégias de Obama para convencer legisladores

G20: Obama reconhece divisão sobre Síria e anuncia pronunciamento na terça

"Se o estabelecimento de controle internacional sobre armas químicas naquele país evitar ataques, vamos imediatamente começar a trabalhar com Damasco", disse Lavrov. "Estamos pedindo que a liderança síria não somente concorde em colocar armas químicas sob controle internacional, mas também com sua subsequente destruição."

A série de comunicados de diplomatas do alto escalão dos EUA, Rússia e Síria seguiram reportagens da imprensa alegando que o presidente russo, Vladimir Putin, que discutiu sobre a Síria com o presidente Barack Obama durante a reunião do G20 em São Petersburgo na semana passada, buscou negociar um acordo no qual Assad entregaria seu arsenal.

Comunicado: Onze países do G20 responsabilizam Síria por ataque químico

Apelo: Obama pede ao Congresso que 'não fique cego diante de imagens'

O próprio Putin disse na sexta-feira durante coletiva que marcou o fim do encontro que ele e Obama discutiram algumas novas ideias em relação a uma saída pacífica da crise e que ambos instruiram Kerry e Lavrov sobre os detalhes.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Na segunda-feira, Lavrov negou que a Rússia estivesse tentando patrocinar um acordo "pelas costas do povo sírio".

O pedido da Rússia ocorre enquanto Obama, que culpou Assad pela morte de centenas de sírios em um ataque químico em Damasco no mês passado, segue pressionando por um ataque militar limitado contra o regime sírio. O governo sírio negou que estivesse por trás do ataque.

Moallem disse que seu governo estava preparado para receber a equipe de inspetores da ONU e insistiu que a Síria está pronta para usar quaisquer canais para persuadir os americanos de que não é responsável pelo ataque.

Com AP

Leia tudo sobre: armas químicassíriarússialavrovassadeuaobamakerry

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas