EUA devem 'esperar por tudo' caso ataquem Síria, diz Assad

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Líder voltou a ressaltar animosidades na região e negou que estivesse por trás de ataque químico contra civis

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, alertou que haverá "repercussões" contra qualquer ação militar dos EUA lançada em resposta a um suposto ataque químico em seu país. "Vocês devem esperar por tudo", disse Assad em entrevista a CBS, gravada em Damasco.

Infográfico 1: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Infográfico 2: Saiba como EUA planejam ataque militar contra a Síria

AP
Presidente sírio, Bashar al-Assad, responde a uma pergunta do jornalista Charlie Rose durante entrevista em Damasco, Síria

Secretário dos EUA: Síria pode evitar ataque se entregar armas químicas

Domingo: Kerry conversa com Liga Árabe para defender intervenção na Síria

"Não necessariamente do governo. Não é somente o governo... nessa região. Você tem diferentes partidos, diferentes facções, diferentes ideologias."

Uma reportagem da CBS veiculada no domingo (8) já havia mencionado que Assad tinha negado estar por trás do ataque com armas químicas contra o povo sírio.

Entrevista: Presidente da Síria nega envolvimento em ataque químico, diz TV

Análise: Ataque à Síria colocaria EUA e Al-Qaeda do mesmo lado em conflito

Questionado se estava fazendo uma ameaça a uma resposta militar direta a qualquer ataque, Assad respondeu vagamente. "Não sou vidente para dizer o que vai acontecer."

O presidente Barack Obama está buscando autorização do Congresso para lançar o que o governo afirma ser um ataque limitado contra a Síria em resposta ao suposto ataque químico de Assad contra territórios da oposição. Assad negou o ataque, e argumentou na entrevista transmitida pela CBS nesta segunda-feira que Washington não apresentou evidências para apoiar suas acusações.

Perfil: Conheça a trajetória do presidente da Síria, Bashar al-Assad

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Em Londres nesta segunda-feira, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, garantiu novamente os argumentos de Washington dizendo que as evidências são fortes o bastante para serem aceitas em qualquer tribunal.

Na entrevista a CBS, Assad disse que suas tropas não estavam na região do ataque químico em 21 de agosto, afirmando que "nossos soldados em outra região foram atacados com armas químicas...Mas na área onde eles afirmam que o governo usou armas químicas, apenas temos um vídeo e apenas temos fotos e suposições. Nós não estávamos lá."

Francisco: Solução militar na Síria seria 'inútil', diz papa em carta a Putin

No Congresso: Saiba estratégias de Obama para convencer legisladores

Kerry afirmou que as negativas de Assad eram "contrariadas pelos fatos".

Questionado se uma guerra química poderia ser uma das respostas a uma intervenção americana na Síria, Assad disse a Charlie Rose: "Isso depende se os rebeldes ou os terroristas nessa região ou qualquer outro grupo as tiver. Isso poderia acontecer".

"Vocês pagarão o preço se não forem sábios para lidar com terroristas."

Veja as imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Comunicado: Onze países do G20 responsabilizam regime por ataque químico

Resolução: Comissão do Senado dos EUA autoriza ação militar na Síria

Assad disse também que o mais recente incidente relembra os argumentos utilizados pelo governo do presidente George W. Bush (2001-2009) para a intervenção no Iraque há dez anos. Assad disse que as declarações de Kerry remontam à "grande mentira" que o então secretário de Estado Colin Powell disse às Nações Unidas sobre as armas de destruição em massa de Saddam Hussein.

O presidente sírio também afirmou que a maioria dos americanos "não quer uma guerra em nenhum lugar, não somente contra a Síria".

Com AP

Leia tudo sobre: armas químicassíriamundo árabeprimavera árabeeuaobamaassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas