Onze países do G20 responsabilizam regime sírio por ataque químico

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Comunicado pede 'resposta internacional' contra país, mas não especifica apoio a ataque militar; Brasil não assina

Dez países membros do G20, grupos das maiores economias do mundo, se uniram aos EUA na acusação de que o governo da Síria está por trás do ataque químico contra civis realizado no mês passado e pediram uma forte resposta internacional contra o regime do líder sírio, Bashar al-Assad.

Em coletiva: Obama reconhece divisão no G20 sobre Síria

AP
Líderes da cúpula do G20 se preparam para tirar foto oficial do evento em São Petersburgo, Rússia

Infográfico 1: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Infográfico 2: Saiba como EUA planejam ataque militar contra a Síria

"A evidência claramente aponta para o governo sírio como sendo responsável pelo ataque, que é parte de um padrão de uso de armas químicas pelo regime", afirma o comunicado em referência ao ataque que, segundo os EUA, deixou mais de 1,4 mil mortos. Outros países deram estimativas mais baixas em relação ao número de vítimas.

O comunicado, entretanto, não apoia especificamente a intervenção militar proposta pelo presidente dos EUA, Barack Obama, contra o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Resolução: Comissão do Senado dos EUA autoriza ação militar na Síria

"Fazemos um apelo por uma forte resposta internacional a essa grave violação às regras e da consciência do mundo que irá enviar uma mensagem clara de que esse tipo de atrocidade não pode se repetir. Aqueles que perpetraram esses crimes devem ser responsabilizados", afirma.

O comunicado foi assinado por líderes e representantes da Austrália, Canadá, França, Itália, Japão, Coreia do Sul, Arábia Saudita, Espanha, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. O Brasil, que defende que uma intervenção estrangeira deve passar pela ONU, não assinou o comunicado.

Terça-feira: Presidente da Câmara dos EUA apoia Obama em ataque contra Síria

Francisco: Solução militar na Síria seria 'inútil', diz papa em carta a Putin

Os signatários também "reconhecem que o Conselho de Segurança da ONU permanece paralisado, como vem estado há dois anos e meio. O mundo não pode esperar intermináveis processos fracassados que só levam sofrimento à Síria. Apoiamos os eforços dos EUA e de outros países para reforçar a proibição do uso de armas químicas".

Nos últimos dois anos e meio, as tentativas de aplicar sanções econômicas contra a Síria fracassaram no Conselho de Segurança da ONU, porque a Rússia e a China, aliadas a Assad, possuem poder de veto.

Obama: Credibilidade dos EUA e do mundo está em jogo sobre a Síria

Leia: Saiba os principais itens de relatório dos EUA sobre o ataque químico

Nesta sexta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, indicou que seu país continuará apoiando a Síria, mesmo se o país for alvo de uma ofensiva militar liderada pelos EUA.

Perguntado ao fim da cúpula do G20 se a Rússia ajudaria a Síria em tais circunstâncias, Putin não fez nenhuma referência sobre defender o país do Oriente Médio ou aumentar o auxílio militar.

"Ajudar a Síria? Nós vamos. Estamos ajudando eles agora. Fornecemos armas, cooperamos na esfera econômica, e tenho esperança de que cooperaremos mais na esfera humanitária... para dar ajuda aos civis que estão hoje em uma situação difícil", disse Putin.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

Na sua coletiva, Obama reconheceu a divisão na comunidade internacional e em seu país em relação a um ataque militar contra o regime sírio. Ele também fez um novo apelo à comunidade internacional, afirmando que as armas químicas são uma ameaça global.

"Não estou usando o argumento das armas químicas como desculpa para ação militar. Passei os últimos anos tentando reduzir o uso do arsenal. Mas sei também que hpa momentos em que temos que decidir se vamos agir pelo que nos preocupamos", disse.

Antes da coletiva concedida ao final da reunião do G20, Obama fez uma reunião surpresa de cerca de 30 minutos com Putin. Apesar de discordarem, segundo os dois líderes, o encontro foi "construtivo".

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: armas químicassíriamundo árabeprimavera árabeobamag20assadeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas