Obama busca apoio internacional para ataque à Síria em G20 dividido

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em jantar, líderes condenaram suposto ataque químico, mas não chegaram a consenso sobre resposta adequada

O presidente dos EUA, Barack Obama, está usando seu último dia na Europa para renovar seu pedido por apoio estrangeiro a um ataque militar à Síria. Mas três dias depois que ele deixou Washington, permanece incerto se a coalizão global que o líder persegue está perto de se tornar uma realidade.

Cameron: Reino Unido diz ter evidências de uso de sarin em ataque químico

AP
Líderes da cúpula do G20 se preparam para tirar foto oficial do evento em São Petersburgo, Rússia

Infográfico 1: O que está em jogo para o Oriente Médio com a guerra síria

Infográfico 2: Saiba como EUA planejam ataque militar contra a Síria

A China é firmemente contra. A União Europeia está cética que qualquer ação militar possa ser efetiva. Até mesmo o papa Francisco entrou no debate, pedindo aos líderes reunidos na cúpula do G20 abandonem o que caracterizou como uma "missão inútil".

Ainda assim, Obama estava implacável. Enquanto o presidente apresentava seu ponto de vista no palco mundial, ele despachou a embaixadora da ONU, Samantha Power, para uma reunião de pesquisas para argumentar que a comunidade internacional não pode permitir que um suposto ataque com armas químicas permaneça sem punição.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Economia: Reunião no G20 é 'teste' para cooperação dos Brics

Obama deverá reforçar seu esforço diplomático durante coletiva à imprensa que será concedida nas horas finais da cúpula das 20 maiores economias do mundo, que acontece em São Petersburgo, na Rússia. Enquanto isso, a Casa Branca garantiu aos aliados que buscaria apoio diplomático e político para a ação na Síria - não necessariamente com envolvimento militar direto.

A agenda focada em assuntos econômicos que aguardava os líderes na reunião no Palácio Constantine rapidamente deu espaço à posição dos líderes em relação à Síria. Na noite de quinta-feira, o jantar foi dominado pela situação do regime sírio de Bashar al-Assad, com líderes condenando o uso de armas químicas, mas sem chegar a um consenso sobre a resposta mais adequada, segundo uma autoridade francesa. Muitos líderes contnuam em dúvida soobre a responsabilização das tropas de Assad pelo ataque.

Resolução: Comissão do Senado dos EUA autoriza ação militar na Síria

Terça-feira: Presidente da Câmara dos EUA apoia Obama em ataque contra Síria

O premiê italiano, Enrico Letta, disse que a divisão ficou clara durante o evento noturno em São Petersburgo. Após o jantar, ele publicou em seu Twitter: "O G20 acabou de encerrar a sessão de janta, e as divisões sobre Síria estão confirmadas".

AP
O presidente dos EUA, Barack Obama, deixa jantar dos líderes do G20 em São Petersburgo, Rússia (5/9)

A interação fraca entre Obama e o presidente russo, Vladimir Putin, o anfitrião do G20, se tornou o momento mais dramático da reunião, destacando a tensão nas relações entre os dois países que estão de lados opostos em relação ao conflito sírio. A rússia apoia Assad - em níveis militar, econômicos e diplomáticos - e coloca em dúvida se o regime de Assad estava mesmo por trás do ataque que, segundo os EUA, deixou mais de 1,4 mil sírios mortos. Outras estimativas apresentadas afirmam que o número de mortos é menor.

Francisco: Solução militar na Síria seria 'inútil', diz papa em carta a Putin

Em público, pelo menos, os líderes russo e americano estavam só sorrisos na quinta-feira, conversando sobre frivolidades em frente às câmeras por alguns segundos durante a chegada de Obama para a reunião.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse que um ataque dos EUA colocaria "outro prego no caixão da lei internacional". Enquanto isso, o Kremlin afirmou que a Rússia estava aumentando sua presença no Mar Mediterrâneo, posicionando navios de guerra "principalmente" para uma possível retirada de russos da Síria.

À margem do G20, Obama teve um encontro bilateral na manhã desta sexta-feira com o presidente chinês Xi Jinping. No início da sessão, Xi elogiou os "muitos resultados" provocados pelas conversas entre os líderes em junho na Califórnia, incluindo a cooperação militar. Obama disse que ele e o líder chinês planejavam discutir questões variadas que vão desde a economia até o programa nuclear da Coreia do Norte.

Obama: Credibilidade dos EUA e do mundo está em jogo sobre a Síria

Rússia: Putin 'não exclui' apoio à ação na Síria se houver provas de ataque

"Embora ainda continuem a existir algumas discordâncias e fontes de tensão, eu estou confiante de que será possível lidar com eles", disse Obama. Nenhum dos dois líderes mencionaram seu desacordo em relação à Síria.

Antes de voltar a Washington na noite desta sexta-feira, Obama se encontrará com o presidente da França, François Hollande, seu mais forte aliado sobre a Síria e um defensor da intervenção militar. Ele também planeja se encontroar com ativistas LGBT russos, devido à recente aprovação no país da proibição da "propaganda gay".

Mesmo domesticamente, ainda não há um consenso nos EUA se um ataque na Síria seria a melhor opção. Um debate turbulento no Congresso sobre a autorização para a ação militar aguarda Obama Em Washington quando ele retornar.

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

Leia: Saiba os principais itens de relatório dos EUA sobre o ataque químico

Obama fez diversos telefonemas durante sua estada na Europa para apelar por apoio de legisladores desconfiados, tanto democratas quanto republicanos. A quantidade de ligações fez o líder chegar atrasado em uma hora para o jantar dos líderes do G20. Ele cancelou uma viagem a Califórnia programada para semana que vem, optando por permanecer na capital para manter pressão no Congresso.

Veja imagens do conflito sírio desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Enquanto autoridades de segurança do alto escalão do governo continuam a passar para o Congresso informações sobre a acusação contra Assad e a resposta mais adequada, uma medida autorizando Obama a agir avançava no Senado, ganhando aprovação da Comissão de Relações Exteriores na quarta-feira. "Estamos muitos satisfeitos com a tendência", disse Ben Rhodes, vice-assessor de segurança de Obama.

NYT: Em vantagem militar e com ONU na Síria, por que Assad lançaria ataque?

Uma pesquisa encomendada pela BBC em conjunto com a rede americana ABC News revela que um terço dos parlamentares americanos estão indecisos. Entre os congressistas que dizem já ter se decidido, a maioria promete votar contra a ação proposta por Obama. O líder do Parlamento sírio escreveu uma carta para o líder da Casa dos Representantes dos Estados Unidos pedindo que seus integrantes não tomem "ações irresponsáveis".

Com AP e BBC

Leia tudo sobre: síriamundo árabearmas químicasg20obamarússiaputinprimavera árabeassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas