Saiba como EUA planejam ataque militar contra a Síria

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Infográfico mostra potenciais alvos de retaliação a suposto ataque químico contra civis

O presidente dos EUA, Barack Obama, tenta obter no Congresso autorização para lançar uma ofensiva militar em resposta a um suposto ataque de armas químicas perpetrado por forças do líder sírio, Bashar al-Assad, nos arredores de Damasco em 21 de agosto. O governo americano diz ter provas de que o ataque deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças, e foi realizado com gás sarin.

Veja no infográfico a seguir como seria o potencial ataque dos EUA à Síria e suas possíveis consequências:

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Argumento: Credibilidade dos EUA e do mundo está em jogo sobre a Síria, diz Obama

Para Obama, uma retaliação ao uso de armamento não convencional por Assad, que trava há dois anos e meio uma guerra civil sangrenta com rebeldes que tentam depor o regime, é necessária por representar um desrespeito a normas internacionais que condenam esse tipo de armas. Segundo o líder americano, uma falta de punição não encorajaria apenas o líder sírio a voltar a usar esse armamento, mas também outros países que não se atêm a normas internacionais.

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

Mas tendo em mente o cansaço do mundo e da população americana ao envolvimento dos EUA em conflitos no Oriente Médio, Obama defende uma ofensiva militar limitada, sem tropas terrestres e sem o objetivo de derrubar Assad. A meta do ataque seria mostrar ao líder sírio que ele arrisca punições internacionais por usar armas não convencionais. 

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabeassadarmas químicas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas