Síria 'não é o Iraque nem o Afeganistão', diz Obama sobre ação militar

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente dos EUA voltou a destacar que envolvimento americano no conflito será 'limitado e proporcional'

Preocupado com a reação negativa que uma possível ação militar contra a Síria possa ter entre os americanos, o presidente Barack Obama buscou garantir que o envolvimento dos EUA no conflito será "limitado e proporcional", diferente das guerras de longa duração e com alto número de perdas humanas da última década.

"Isso não é o Iraque e isso não é o Afeganistão", destacou o presidente após uma reunião com líderes do Congresso na Casa Branca, em Washington.

Republicano: Presidente da Câmara apoia Obama em ataque contra a Síria

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, fala à imprensa na Casa Branca em Washington

Em meio à crise síria: Israel diz ter feito teste de míssil com EUA

Análise: Em vantagem militar e com ONU, por que Assad faria ataque químico?

Após dez anos de guerras no Iraque e no Afeganistão, as pesquisas mostram que a maioria dos americanos se opõe a ofensivas dos EUA no exterior. Segundo uma pesquisa feita pela NBC, que ouviu 700 americanos, 50% deles afirmaram que os EUA não deveriam realizar nenhuma "ação militar" na Síria, enquanto 42% afirmaram que deveriam.

As opiniões, entretanto, mudaram quando os participantes foram questionados sobre ataques aéreos lançados pelos EUA de navios, sem envolver tropas ou aviões americanos.

Dia 31: Obama buscará voto no Congresso para lançar ataque contra a Síria

Questionados sobre suas opiniões sobre uma missão "limitada a ataques aéreos usando mísseis de cruzeiro lançados de navios americanos com intenção de destruir unidades militares e infraestrutura utilizada para ataques químicos, 50% afirmaram que os EUA deveriam apoiar tal ação, enquanto 40% continuaram afirmando que não.

Os EUA, bem como a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e outros países, responsabilizam o regime de Bashar al-Assad por um suposto ataque químico realizado em 21 de agosto que, segundo autoridades americanas, deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças. O regime sírio nega as alegações e acusa os rebeldes de usar armas químicas. Grupos rebeldes responsabilizam as tropas de Assad pelo ataque.

Kerry: Provas mostram que Síria usou gás sarin, diz secretário de Estado

Regime de Assad: Obama recua ao pedir aval do Congresso para atacar Síria

AP
Manifestantes organizam protesto contra possível intervenção militar dos EUA na Síria do lado de fora da Embaixada dos EUA em Londres, Reino Unido

TV estatal: Assad diz que Síria é capaz de enfrentar qualquer agressão

Nesta terça-feira, Obama intensificou sua pressão para conseguir aprovação do Congresso para realizar um ataque contra a Síria e se reuniu, ao lado do vice Joe Biden, com líderes democratas e republicanos na Casa Branca. Obama quer que a votação ocorra já na semana que vem, quando o Congresso retorna do recesso de verão.

"Esse é um passo limitado e proporcional que enviará uma clara mensagem - não apenas ao regime Assad, mas também a outros países que possam estar interessados em testar normas internacionais - de que há consequências", disse o presidente.

Rússia: Evidências sobre ataque químico na Síria 'não são convincentes'

Relatório: França culpa Síria por 'pesado uso de agentes químicos' em ataque

"Essa norma contra o uso de armas químicas - que 98% do mundo concorda - existe por uma razão, porque reconhecemos que há certas armas que, quando usadas, podem não apenas resultar em mortes horríveis, mas também acabar sendo transferidas para autores de fora do Estado, que podem colocar em risco aliados e amigos nossos, como Israel, Jordânia e Turquia", disse.

Após a reunião, o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, bem como os líderes da maioria republicana e da minoria democrata endossaram a ação contra o regime de Assad. "Isso é algo que os EUA como país precisam fazer", disse Boehner após deixar a Casa Branca.

Veja imagens da guerra da Síria desde o início do ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Pela lei, Obama tem autoridade para decidir sozinho sobre um ataque militar contra a Síria e, durante a semana passada, deu sinais de que estava decidido a fazê-lo. Porém, no fim de semana, em decisão surpreendente, Obama afirmou que buscaria um voto no Congresso para lançar a ofensiva contra o regime Assad.

Acnur: Refugiados sírios chegam a mais de 2 milhões, diz órgão da ONU

Segundo informou nesta terça-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), o número de refugiados sírios ultrapassou 2 milhões. Desde que foi deflagrado, em 2011, o conflito no país deixou mais de 100 mil mortos, de acordo com a ONU.

Com AP

Leia tudo sobre: euaobamaarmas químicassíriamundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas