Refugiados sírios chegam a mais de 2 milhões, diz órgão da ONU

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em um ano, número de refugiados aumentou em 1,8 mi; situação é de 'calamidade sem precedentes', diz Acnur

Agência Brasil

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) informou nesta terça-feira (3) que o número de refugiados sírios ultrapassou a marca de 2 milhões. 

Segundo o Acnur, houve um aumento de quase 1,8 milhão de refugiados que saem da Síria, em apenas 12 meses. Há um ano, o número de sírios registrados como refugiados ou esperando pelo registro era de 230.671.

ONU: Número de crianças refugiadas da Síria atinge 1 milhão

AP
Refugiados sírios passam por portão de fronteira da Turquia (31/8)


US$ 5,2 bi: Guerra da Síria faz ONU lançar maior apelo humanitário

NYT: Sedentos por armas, rebeldes sírios fabricam morteiros improvisados

O alto comissário das Nações Unidas para Refugiados, António Guterres, disse que a situação atual no país é de “calamidade humanitária sem precedentes na história recente”. “O único conforto é a postura humanitária demonstrada pelos países da vizinhança de receber e salvar as vidas de tantos refugiados”, disse.

Mais de 97% dos refugiados sírios estão abrigados em países vizinhos à Síria, sobrecarregando a infraestrutura, economia e dinâmica social da região. A média diária de fuga é de 5 mil sírios.

Veja a série sobre refugiados sírios no Brasil:
Samir teve unhas arrancadas em sessões de tortura
No Brasil, refugiado sonha em voltar para Síria e 'começar do negativo'
Família síria paga US$ 10 mil para acelerar fuga de menino ao Brasil

"Se a situação continuar a deteriorar-se neste nível, o número de refugiados irá apenas crescer, e alguns países vizinhos podem ser levados ao ponto de um colapso", disse a representante do Acnur e estrela de Hollywood Angelina Jolie.

Os locais mais procurados são o Iraque, a Jordânia, o Líbano e a Turquia. Na quarta-feira, autoridades dos quatro países se reúnem em Genebra, na Suíça, na tentativa de acelerar o apoio internacional para ajudar os refugiados.

O balanço do Acnur mostra que até o fim de agosto, os números de refugiados eram 110 mil no Egito; 168 mil no Iraque; 515 mil na Jordânia; 716 mil no Líbano; e 460 mil na Turquia. Pelo menos 52% são crianças e adolescentes com menos de 17 anos. Na semana passada, o Acnur havia divulgado que o número de crianças sírias refugiadas havia atingido a marca de 1 milhão.

Conversão: Guerra na Síria atrai jovens europeus sem relação com o país

Drama: Filho de brasileira deixa Bélgica para lutar na guerra civil da Síria

Paralelamente, mais de 4,25 milhões estão deslocadas internamente na Síria, de acordo com estatística divulgada em 27 de agosto do Escritório das Nações Unidas para Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha).

O Acnur atua internamente na Síria e sofre com a escassez dos recursos, pois tem 47% dos fundos necessários para atender às necessidades emergenciais dos refugiados cobertos.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Relatório: França culpa Síria por 'pesado uso de agentes químicos' em ataque

Vice-chanceler sírio: Ação militar dos EUA na Síria ajudaria Al-Qaeda

Criado em 1950 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, o alto comissariado tem o objetivo de liderar e coordenar ações internacionais que solucionem as questões de proteção a refugiados em todo o mundo. Pelo estatuto de criação, a prioridade do Acnur é salvaguardar os direitos e o bem-estar dos refugiados.

A revolta de dois anos e meio na Síria contra as quatro décadas de regime da família do presidente Bashar al-Assad tornou-se uma guerra civil sectária cada vez maior, que deixou mais de 100 mil mortos.

Com Agência Brasil e Reuters

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabeassadarmas químicasrefugiados

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas