Síria pede que ONU impeça ataque dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em carta, regime pede que organização previna quaisquer agressões e que pressione para uma solução política

O regime da Síria pediu à Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira (2) que evite "qualquer agressão" contra o país depois das declarações feitas pelo presidente dos EUA, Barack Obama, nas quais defendeu ataques punitivos contra o Exército sírio devido à ação com armas químicas no mês passado.

TV estatal: Assad diz que Síria é capaz de enfrentar qualquer agressão

AP
Foto sem data divulgada pela agência oficial Sana mostra o presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista com o jornal russo Izvestia

Anúncio: Obama buscará voto no Congresso para lançar ataque contra a Síria

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

Os EUA alegam que o ataque químico lançado pela Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças. Este foi considerado o pior incidente com uso de armas químicas desde o ataque com gás venenoso durante o governo do iraquiano Saddam Hussein, que matou milhares de curdos em 1988.

Apesar de ter prometido uma resposta contra a Síria, Obama afirmou no fim de semana, em decisão surpreendente, que qualquer ação depende de aprovação prévia do Congresso americano, que retorna do recesso em 9 de setembro.

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

Em uma carta ao chefe da ONU, Ban Ki-moon, e à presidente do Conselho de Segurança, Maria Cristina Perceval, o embaixador da Síria na ONU Bashar Ja'afari pediu que o secretário-geral da ONU "assuma sua responsabilidade de prevenir qualquer agressão contra a Síria e que pressione para que se alcance uma solução política para a crise". A carta foi divulgada pela agência de notícias estatal do país, Sana.

Até o momento, o regime de Bashar al-Assad está a salvo de sanções e é improvável que o Conselho de Segurança autorize um ataque militar contra a Síria, porque dois dos seus membros - Rússia e China - bloquearam todos os esforços de ação contra seu aliado.

Síria: Obama recua ao pedir aval do Congresso para lançar ataque

Putin: Presidente da Rússia desafia EUA a apresentar à ONU provas sobre Síria

Também nesta segunda-feira, o chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, caracterizou como "absolutamente pouco convincente" a informação que os EUA mostraram para Moscou para tentar provar que o regime sírio estava por trás do ataque químico de 21 de agosto.

"Sim, eles nos mostraram algumas descobertas, mas não havia nada específico ali: nenhuma coordenada geográfica, nenhum nome, nenhuma prova de que os testes foram realizados por profissionais", disse Lavrov. Ele não afirmou a que testes estava se referindo.

"O que nossos parceiros americanos, britânicos e franceses nos mostraram no passado e acabaram de nos mostrar recentemente é absolutamente pouco convincente", acrescentou Lavrov. "E quando você pede provas mais detalhadas, eles dizem que é tudo isso é confidencial e portanto não podem mostrar."

'Ajuda à Al-Qaeda'

O vice-ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, disse em entrevista à rede britânica BBC que grupos armados apoiados pelos EUA foram responsáveis pelo uso de armas químicas na guerra civil do país, e não o governo.

EUA: Ataque químico da Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Mekdad disse que um eventual ataque americano beneficiaria dois grupos ligados à Al-Qaeda: o Jabat al-Nusra e o Estado do Islã na Síria e no Iraque. Ambos vêm desempenhando uma papel importante na insurgência contra o regime de Assad.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

O vice-ministro sírio – que é tido como muito influente no governo de Al-Assad – afirmou que uma intervenção americana no país aprofundaria o "ódio aos americanos" no Oriente Médio e desestabilizaria a região.

Leia: Saiba os principais itens de relatório dos EUA sobre o ataque químico

Mekdad disse que o fato de Obama ter recuado no fim de semana, pedindo agora aprovação do Congresso americano, é um sinal de que o presidente americano não pensou com cuidado em todas as consequências que uma ação teria.

Mas ele acredita que o recuo de Obama não fará muita diferença. "Isso não mudou nada, já que ele está decidido a lançar um ataque."

Leia tudo sobre: síriaassadmundo árabeprimavera árabearmas químicasobamaeuarússia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas