Evidências sobre ataque químico na Síria 'não são convincentes', diz Rússia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Para chanceler, informação compartilhada pelos EUA não é suficiente para responsabilizar regime Assad por ataque

As informações que os EUA mostraram à Rússia para tentar provar que o regime da Síria estava por trás de um suposto ataque químico são "absolutamente não convincentes", disse o chanceler russo nesta segunda-feira (2).

Em carta: Síria pede que ONU impeça ataque dos EUA

TV estatal: Assad diz que Síria é capaz de enfrentar qualquer agressão

AP
O ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov faz pronunciamento em Moscou

Anúncio: Obama buscará voto no Congresso para lançar ataque contra a Síria

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

Os EUA alegam que o ataque químico lançado pela Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças. Este foi considerado o pior incidente com uso de armas químicas desde o ataque com gás venenoso durante o governo do iraquiano Saddam Hussein, que matou milhares de curdos em 1988. O regime sírio nega que esteja por trás do ataque.

"Sim, eles nos mostraram algumas descobertas, mas não havia nada específico ali: nenhuma coordenada geográfica, nenhum nome, nenhuma prova de que os testes foram realizados por profissionais", disse Lavrov. Ele não afirmou a que testes estava se referindo.

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

"O que nossos parceiros americanos, britânicos e franceses nos mostraram no passado e acabaram de nos mostrar recentemente são absolutamente não convincentes", acrescentou o chanceler da Rússia, aliado-chave do regime sírio. "E quando você pede provas mais detalhadas, eles dizem que tudo isso é confidencial e, portanto, não podem mostrar."

No sábado, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, desafiou os EUA a apresentar à ONU as provas de que a Síria lançou no dia 21 um ataque químico contra opositores do regime perto da Damasco. "Se há provas, deveriam ser mostradas. Se elas não são mostradas, não existem", disse, acrescentando que o fracasso americano em expô-las à comunidade internacional era "simplesmente um desrespeito".

Síria: Obama recua ao pedir aval do Congresso para lançar ataque

Putin: Presidente da Rússia desafia EUA a apresentar à ONU provas sobre Síria

O presidente dos EUA, Barack Obama, defendeu uma retaliação militar ao suposto ataque químico na Síria, mas anunciou que buscará autorização do Congresso para realizar o ataque. O legisladores voltam do recesso em 9 de setembro.

Obama tomou a decisão apesar de, na quinta-feira, o Parlamento britânico ter rejeitado o pedido do prêmie David Cameron para que autorizasse uma ação militar.

Nesta segunda, o regime da Síria enviou uma carta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e à presidente do Conselho de Segurança, Maria Cristina Perceval, pedindo que a organização "assuma sua responsabilidade de prevenir qualquer agressão contra a Síria e que pressione para que se alcance uma solução política para a crise". A carta foi divulgada pela agência de notícias estatal do país, Sana.

EUA: Ataque químico da Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Até o momento, o regime de Bashar al-Assad está a salvo de sanções e é improvável que o Conselho de Segurança autorize um ataque militar contra a Síria, porque dois dos seus membros - Rússia e China - bloquearam todos os esforços de ação contra seu aliado.

Também nesta segunda, o primeiro-ministro da França Jean-Marc Ayrault apresentará aos líderes parlamentares evidências recolhidas pelo país do uso de armas químicas na Síria. Acredita-se que o dossiê mostrará que a Síria possui mais de mil toneladas de agentes químicos estocados, incluindo gás sarin.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Assim como Obama, o presidente francês François Hollande defende ação militar punitiva contra a Síria. Entretanto, há uma crescente pressão para que o presidente, assim como fará Obama, leve a questão ao parlamento para votação.

Leia: Saiba os principais itens de relatório dos EUA sobre o ataque químico

No domingo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, afirmou que amostras de sangue e de cabelo que chegaram aos EUA a partir do leste de Damasco deram positivo para traços de uso de gás sarin na Síria.

Seguindo a linha francesa e americana, o secretário-geral da Otan Anders Fogh Rasmussen disse que ele está pessoalmente convencido de que um ataque químico ocorreu na Síria e que o regime de Assad era responsável.

"(Deve haver) uma firme resposta internacional para deter quaisquer usos futuros dessas armas", disse em coletiva em Bruxelas. "Isso enviaria, eu diria, um perigoso sinal aos ditadores de todo o mundo se fircarmos de braços cruzados e não reagirmos."

Com AP, Reuters e BBC

Leia tudo sobre: rússiamundo árabeprimavera árabesíriaassadarmas químicasfrançaeuaobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas