Coalizão da oposição síria, por sua vez, exorta Congresso dos EUA a autorizar ação militar contra regime de Assad

O presidente Bashar al-Assad afirmou neste domingo que a Síria é capaz de enfrentar qualquer ataque externo, depois que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que deveria haver um ataque militar contra o país .

Anúncio: Obama buscará voto no Congresso para lançar ataque contra a Síria

Secretário de Estado dos EUA: Provas mostram que Síria usou gás sarin

Foto sem data divulgada nesta segunda pela agência oficial Sana mostra o presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista com o jornal russo Izvestia
AP
Foto sem data divulgada nesta segunda pela agência oficial Sana mostra o presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista com o jornal russo Izvestia

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

"A Síria é capaz de enfrentar qualquer agressão externa", de acordo com a televisão estatal do país, que citou a afirmação de Assad feita em uma reunião com autoridades iranianas.

"As ameaças norte-americanas de lançar um ataque não vão afastar a Síria de seus princípios ou de sua luta contra o terrorismo apoiado por alguns países da região e ocidentais, principalmente, os Estados Unidos da América." A Síria geralmente se refere aos rebeldes que lutam para derrubar Assad como "terroristas".

No sábado, Obama afirmou que os EUA deveriam retaliar o suposto uso de armas químicas por Damasco, mas que buscará autorização do Congresso para a ação.

Síria: Obama recua ao pedir aval do Congresso para lançar ataque

Putin: Presidente da Rússia desafia EUA a apresentar à ONU provas sobre Síria

Neste domingo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse que testes provaram o uso da arma química sarin nos ataques na Síria. Kerry também expressou confiança de que o Congresso "fará o que é certo" sobre o pedido de Obama.

Navios da Marinha estão na região aguardando ordens para lançar mísseis, e os inspetores da ONU deixaram a Síria depois de reunir provas de um ataque com armas químicas que as autoridades americanas afirmam ter matado 1.429 pessoas em áreas controladas pelos rebeldes.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

EUA: Ataque químico da Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

O número é bem maior do que estimativas anteriores que apontavam centenas de mortos. A inteligência britânica informa que o número de mortos ultrapassaria os 350, número similar aos 355 apontados pelos Médicos Sem Fronteiras.

Rebeldes sírios

A coalizão de oposição da Síria pediu neste domingo ao Congresso dos EUA a aprovação da autorização para uma ação militar, afirmando que qualquer intervenção deveria vir acompanhada do envio de mais armas para os rebeldes.

Leia: Saiba os principais itens de relatório dos EUA sobre o ataque químico

"A Coalizão Síria acredita que qualquer possível ação militar deve ser realizada em conjunto com um esforço para armar o Exército Sírio Livre. Isso será vital na contenção da matança de Assad", afirmaram os opositores de Assad em nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.