Egito prende importante político da Irmandade Muçulmana

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Prisão de Beltagi faz parte de contínua repressão a movimento islâmico desde deposição do islamita Morsi

Reuters

A polícia egípcia capturou nesta quinta-feira o importante político da Irmandade Muçulmana Mohamed El-Beltagi, disseram fontes da área de segurança, à medida que as autoridades continuam com a repressão que colocou a maior parte dos líderes do grupo islâmico atrás das grades.

Badie: Egito prende principal líder espiritual da Irmandade Muçulmana

AP
Foto de 16/11/2012 mostra Mohamed el-Beltagy, autoridade da Irmandade Muçulmana, liderando protestos no Cairo

Reação: 'Prisão de líder não fará Irmandade perder o rumo no Egito'

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Beltagi pedira aos egípcios para fazerem protestos contra as Forças Armadas na sexta-feira, em uma declaração gravada que foi transmitida nesta semana pela rede de notícias Al-Jazeera.

Desde o golpe que depôs o presidente Mohammed Morsi e seu governo da Irmandade Muçulmana em 3 de julho, as autoridades apoiadas pelos militares mataram centenas de manifestantes pró-Morsi e prenderam os principais líderes da Irmandade, no que chamam de uma luta contra o terrorismo.

Massacre: Mortos em ação de Egito contra partidários de Morsi chegam a 638

Leia também: Entenda as causas dos conflitos no Egito

O principal líder da Irmandade, Mohamed Badie, e seus vices Khairat al-Shater e Rashad Bayoumy, já foram processados por acusações que incluem incitamento à violência em ligação com um protesto em julho, em uma ação que eles afirmam ser politicamente motivado. As autoridades também ordenaram a prisão de Beltagi pelas mesmas acusações.

Análise: Egito revela que paz é mais difícil que revolução na Primavera Árabe

As fontes de segurança dizem que 53 manifestantes morreram em um confronto de madrugada juntamente com quatro membros das forças de segurança. O Exército diz que "terroristas" provocaram o tiroteio ao atacar seus soldados.

Beltagi foi um orador de destaque em um acampamento de protesto pró-Morsi na mesquita Rabaa Adawiya, que foi esmagado pelas forças de segurança, em 14 de agosto, num dia em que mais de 600 morreram.

Leia tudo sobre: egitomorsiqueda de morsiirmandade muçulmana

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas