Tribunal do Egito determina libertação de Hosni Mubarak

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Premiê ordena que ex-líder deposto em 2011 fique em prisão domiciliar após ser solto, provavelmente na quinta

Um tribunal do Egito ordenou nesta quarta-feira (21) a libertação do ex-presidente Hosni Mubarak. O primeiro-ministro do Egito, Hazem el-Beblawi, disse em uma declaração que ordenou Mubarak a ser posto sob prisão domiciliar quando for solto depois de mais de dois anos de detenção. Funcionários prisionais disseram que o ex-líder deve ser solto na quinta.

Sem base para custódia: Ex-presidente egípcio Mubarak pode ser solto

11 de maio: Mubarak reaparece em tribunal por mortes de manifestantes

Reprodução
Hosni Mubarak, em reprodução de imagem divulgada pela televisão egípcia durante o julgamento desta sábado (11)

Em abril: Acusações de corrupção mantêm Mubarak preso

Promotores disseram ser improvável que entrem com recurso contra a ordem, que foi emitida durante audiência relacionada a acusações de corrupção contra Mubarak, por ele ter aceitado presentes de um jornal estatal, o último caso que o mantinha preso.

Após recurso: Corte do Egito ordena novo julgamento de Mubarak

Em abril: Juiz do caso Mubarak renuncia no Cairo

A possibilidade de Mubarak se tornar um homem livre pode dar mais combustível à revolta que toma conta do país depois que o sucessor do líder autocrata, o presidente islamita Mohammed Morsi, ter sido deposto em um golpe militar no mês passado

A audiência aconteceu na prisão Tora, onde Mubarak, 85 anos, ficou detido a maior parte do tempo desde abril de 2011. Autoridades citaram preocupações com a segurança como razões para mantê-lo preso no local extremamente fortificado.

Mubarak, de 85 anos, está sendo novamente julgado pela acusação de ordenar o assassinato de manifestantes durante a revolta de 2011, que resultou na queda de seu governo, mas já cumpriu a prisão preventiva máxima nesse caso.

Ele foi sentenciado à prisão perpétua no ano passado por fracassar em impedir a morte de manifestantes, mas o tribunal aceitou seu recurso neste ano e ordenou um novo julgamento.

Ele enfrenta uma série de outras acusações de corrupção, mas nenhum outro julgamento foi marcado até o momento.

O especialista em direito Nasser Amin disse que, processualmente, Mubarak deveria ter sido libertado assim que sua sentença foi anulada, mas as circunstâncias políticas devem atrasar sua soltura. "Sua libertação provocaria um caos", disse. "Seria usado pelos islamitas como uma prova de retorno ao antigo regime."

Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: mubarakegitomundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas