Ex-presidente egípcio Mubarak pode ser solto; ataque mata 25 policiais no Sinai

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Não haveria base legal para mantê-lo preso após 2 anos sob custódia; islâmicos são acusados por emboscada

Reprodução
Hosni Mubarak em reprodução de imagem divulgada pela televisão egípcia durante o julgamento (11/5)

O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak, que está sendo novamente julgado pela morte de centenas de manifestantes durante o levante que forçou sua renúncia em 2011, pode ser solto no fim desta semana, disseram funcionários judiciais nesta segunda-feira. O surpreendente anúncio aconteceu no mesmo dia em que forças de segurança acusaram militantes islâmicos de matar 25 policiais na instável Península do Sinai.

Saiba mais: Entenda as causas dos conflitos no Egito

Os funcionários disseram que uma corte ordenou nesta segunda a libertação de Mubarak em um caso de corrupção em que ele e seus dois filhos são acusados de desviar fundos de palácios presidenciais. Seus filhos permanecerão sob custódia porque enfrentam acusações de outros casos. Segundo os funcionários, não há base legal para manter o ex-autocrata de 85 anos preso depois de ter expirado o limite legal de dois anos para deixar um indivíduo sob custódia à espera de um veredicto final.

Análise: Egito revela que paz é mais difícil que revolução na Primavera Árabe

A ordem desta segunda, juntamente com o fato de que Mubarak previamente já havia sido liberado para soltura em outros dois casos contra ele - o assassinato de manifestantes e um caso relacionado a rendimentos ilegais -, abriu a possibilidade de o ex-presidente ficar livre. Mubarak também enfrenta o julgamento por supostamente ter aceitado presentes de jornais estatais, mas já ressarciu os valores. Sua equipe de defesa já submeteu uma petição para sua soltura nesse caso, e uma decisão é esperada para o fim desta semana.

Mubarak está preso desde abril de 2011. Ele foi considerado culpado e sentenciado à prisão perpétua em junho do ano passado por ter fracassado em impedir o assassinato de cerca de 900 manifestantes no levante de 18 dias contra seu governo. Sua sentença foi revertida em uma apelação e ele agora passa por um novo julgamento, juntamente com seu chefe de segurança e outros seis importantes comandantes policiais.

A decisão de libertar Mubarak acrescenta mais tensão ao país no mesmo dia em que forças de segurança disseram que militantes islâmicos emboscaram dois micro-ônibus com policiais de folga, forçando os oficiais a deixar o veículo para serem executados a tiros em uma estrada do Sinai. O ataque em plena luz do dia destaca a volatividade da estratégica região.

Massacre: Mortos em ação de Egito contra partidários de Morsi chegam a 638

AP
Partidários do presidente deposto Mohammed Morsi (visto no pôster) participam de manifestação no distrito de Maadi, Cairo

Aliado: Obama condena violência e cancela exercícios militares com Egito

Os assassinatos desta segunda, que aconteceram perto da cidade de fronteira de Rafah, no norte do Sinai, aconteceram um dia depois de forças de segurança terem matado 36 detentos durante um tumulto em um comboio de caminhões que se dirigiam a uma prisão no norte do Cairo. Além disso, a violência entre as forças de segurança e partidários do presidente deposto Mohammed Morsi deixaram quase 1 mil mortos desde a quarta-feira. O governo ordenou uma investigação para essas mortes.

Sexta-feira: 'Dia da Ira' no Egito deixou 173 mortos

As tensões no Egito aumentaram desde que o Exército depôs Morsi, sucessor de Morsi, em um golpe militar em 3 de julho depois de dias de protestos de milhões de egípcios reivindicando sua renúncia sob a acusação de abuso de poder. Mas os partidários de Morsi reagiram, realizando protestos reivindicando sua volta ao poder e denunciando o golpe.

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Na quarta, o Exército desmontou à força dois acampamentos de partidários de Morsi no Cairo, matando centenas e desatando a atual onda de violência.

O general Abdel-Fattah el-Sissi, o chefe das Forças Armadas egípcias, disse no domingo que a repressão, seguida por um estado de emergência e um toque de recolher noturno no Cairo e em outras províncias, era necessária para proteger o país da "guerra civil". El-Sissi prometeu manter-se firme perante o crescimento da violência, mas também pediu a inclusão dos islamitas no processo político pós-Morsi.

Veja imagens do massacre de quarta no Egito:

Egípcios choram perto de corpos de parentes na mesquita de El-Iman, em Nasr City, Cairo (15/8). Foto: APEgípcios choram sobre corpos de parentes mortos em repressão militar no dia anterior no Cairo (15/8). Foto: APEgípcios velam os corpos de seus parentes e amigos na mesquita El-Iman em Nasr City, Cairo (15/8). Foto: APHomem caminha do lado de fora da mesquita Rabaa Adawiya um dia depois de uma ação violenta da polícia egípcia no Cairo. Foto: APHomem segura corpo de partidário de Mohammed Morsi em mesquita de Nasr City, no Egito (15/8). Foto: APPartidários feridos do presidente deposto Mohammed Morsi são vistos deitados em hospital improvisado no distrito de Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APPartidário do presidente deposto Mohammed Morsi pega madeira para transformá-la em uma barricada em chamas na praça Rabaa Al-Adawiya, no Cairo (14/8)
. Foto: APPartidário ferido do líder deposto Mohammed Morsi é visto no chão enquanto forças de segurança desmontavam acampamento de protesto perto da Universidade do Cairo (14/8). Foto: APMembros da Irmandade Muçulmana e partidários de Mohammed Morsi fogem do gás lacrimogêneo durante confrontos em praça que leva à praça Rabba el-Adwia, Cairo (14/8). Foto: ReutersPartidários do presidente deposto  Mohammed Morsi carregam manifestante ferido durante confrontos com a polícia e o Exército na área da praça Rabaa Adawiya, Cairo (14/8)
. Foto: ReutersPartidários do presidente deposto  Mohammed Morsi carregam manifestante ferido durante confrontos com a polícia e o Exército na área da praça Rabaa Adawiya, Cairo (14/8). Foto: ReutersDois meninos abraçam partidário do presidente Mohammed Morsi, enquanto policiais removiam acampamento perto da Universidade de Giza, no Egito (14/8). Foto: APCorpos de partidários do presidente deposto Mohammed Morsi são vistos no chão de hospital improvisado no distrito de Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APForça de segurança do Egito chuta partidário do presidente deposto Mohammed Morsi ao desmontar acampamento de protesto perto de universidade no Cairo (14/3). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi fogem de forças de segurança que disparavam contra eles durante confrontos no distrito de Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APPartidário de Mohammed Morsi se senta próximo à mulher morta enquanto forças de segurança do Egito removiam acampamento perto da Universidade Giza, no Cairo (14/8). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi entram em confronto com forças de segurança no distrito de Nasr City, no Cairo (14/8). Foto: APPartidário de Mohammed Morsi segura colega ferido enquanto forças de segurança avançam contra acampamento em Nasr City (14/8). Foto: APManifestante carrega cópias do Corão enquanto forças do Egito avançam contra acampamento em Nasr City (14/8). Foto: APPartidários de Morsi feridos repousam no chão após forças de segurança egípcias avançarem contra acampamento em Nasr City, Cairo (14/8). Foto: APForças de segurança egípcias avançam contra acampamento em Nasr City, no Cairo (14/8). Foto: APMembro das forças de segurança do Egito fala com partidária do presidente deposto Mohammed Morsi em acampamento perto da Universidade Giza (14/8). Foto: APForças de segurança do Egito prende manifestantes durante remoção de acampamento de partidários do islamita Mohammed Morsi em Nasr City, Cairo (14/8) . Foto: APForças de segurança do Egito dispersam acampamento de partidários de Mohammed Morsi em Nasr City, no Cairo (14/8). Foto: APPartidários de Mohammed Morsi gritam palavras de ordem contra Exército durante confrontos no bairro de Mohandessin, no Egito (14/8). Foto: AP

Quarta: Premiê defende repressão contra partidários de presidente deposto

Sinai, uma região estratégica na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, tem sido palco de ataques quase diários desde a queda de Morsi - fazendo muitos vincularem os militantes ali à Irmandade Muçulmana, grupo islâmico ao qual Morsi pertence.

Combatentes ligados à Al-Qaeda, alguns dos quais consideram a Irmandade muito moderada, e homens tribais usam a área para contrabando e outras atividades criminosas há anos e ocasionalmente lançaram foguetes contra Israel e ataques após cruzarem a fronteira. Há um ano, 16 guardas de fronteira do Egito foram mortos no Sinai, perto das fronteiras com Gaza e Israel, em uma ação ainda não resolvida que é amplamente conectada aos militantes.

Cerco contra a Irmandade

Além do estado de emergência imposto na quarta, o governo interino apoiado pelo Exército também começou a tomar medidas duras para enfraquecer a Irmandade. Forças de segurança prenderam membros da organização em ações em suas casas e em cidades diferentes, com o objetivo de interromper planos para manifestações pró-Morsi. O gabinete também manteve uma reunião de emergência para considerar banir o grupo.

Saiba mais: Entenda o que é a Irmandade Muçulmana

Domingo: Governo do Egito debate destino de Irmandade Mulçumana

A possível proibição - que autoridades dizem que seria implementada por causa do uso de violência pleo grupo - seria uma repetição da luta de décadas entre o Estado e a Irmandade. Ela também secaria os recursos financeiros do grupo e permitiria prisões em massa de seus membros. Isso provavelmente diminuiria as chances de uma solução negociada para a crise e poria o grupo novamente no submundo.

*Com AP

Leia tudo sobre: mubarakqueda de morsimorsiegitomundo árabeprimavera árabesinai

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas