Rebeldes capturam base aérea no norte da Síria, dizem ativistas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Base de Mannagh, perto da fronteira com a Turquia, era um dos principais postos das forças de Bashar al-Assad

Rebeldes sírios capturaram uma grande base aérea no norte do país na terça-feira após meses de batalhas, privando as forças do presidente Bashar al-Assad de um de seus principais postos perto da fronteira com a Turquia, informaram ativistas. A TV estatal negou que a base tenha caído completamente ao controle dos rebeldes.

ONU: Número de mortos na guerra da Síria passa de 100 mil

Reuters
Combatente do Exército Livre Sírio posiciona sua arma atrás de barricada de sacos de areia no bairro al-Khalidiya, em Aleppo

TV estatal: Tropas de Assad capturam reduto rebelde em Homs

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, rede ativista baseada no Reino Unido, disse que a base de helicóptero Mannagh caiu cerca de 24 horas depois que os rebeldes, liderados por militantes ligados a Al-Qaeda, lançaram uma ofensiva contra o local.

Outro grupo ativista, o Centro de Mídia Aleppo, disse que rebeldes finalmente capturaram a base antes do amanhecer. Vídeos supostamente feitos a partir do campo de batalha mostraram rebeldes inspecionando helicópteros capturados.

Mais: ONU e Síria dizem que reunião sobre armas químicas foi 'produtiva'

EUA: Pentágono apresenta custos de intervenção na guerra da Síria

A TV estatal síria disse que as tropas ainda estão defendendo a base aérea, acrescentando que os rebeldes "sofreram grandes perdas em torno e dentro do aeroporto". Citando uma fonte não identificada do Ministério da Informação, a TV disse que "os heróis das nossas Forças Armadas na base aérea Mannagh e de áreas próximas estão confrontando terroristas com enorme coragem".

Mannagh, localizada no norte da província de Aleppo, está dentro do território dominado pela oposição a Assad. Rebeldes tentam desde o ano passado capturar a base, mas foram impedidos por forte resistência dos soldados.

Síria: 5 mil morrem por mês; Londres protegerá rebeldes de armas químicas

Abu Sakkar: Frente a frente com o 'rebelde canibal' da Síria

Os rebeldes capturaram parte dela em junho, e, desde então, sua queda vem sendo aguardada. A base aérea é a maior a ser dominada pelos rebeldes desde que as forças da oposição capturaram a base Taftanaz na província de Idlib em janeiro.

Segundo o Observatório, o ataque final contra Mannagh foi liderado por membros do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, que possui conexões com a Al-Qaeda, e teve início na manhã de segunda-feira quando um homem-bomba saudita explodiu seu veículo do lado de fora do centro de comando do complexo.

A rede ativista disse que os rebeldes começaram avançando, capturando veículos e prédios dentro da base. O Observatório não especificou quantos soldados do governo foram mortos, mas disse que ao menos dez rebeldes, incluindo combatentes estrangeiros, morreram na batalha. Algumas tropas do governo foram levadas como prisioneiros.

Refugiados sírios no Brasil:
Família síria paga US$ 10 mil para acelerar fuga de menino ao Brasil
No Brasil, refugiado sonha em voltar para Síria e 'começar do negativo'
Refugiado no Brasil teve unhas arrancadas em sessões de tortura na Síria

O principal bloco de oposição ao governo, a Coalizão Nacional Síria (CNS), apoiada pelo Ocidente, parabenizou os sírios pela captura da base. A CNS disse que os rebeldes "liberaram completamente a base aérea Mannagh e vão transformá-la de uma ferramenta de opressão do regime em um minarete de libertação".

A queda de Mannagh se segue à captura pelos rebeldes de quatro vilarejos na costa mediterrânea do país, que apoia Assad. Vitórias rebeldes, entretanto, têm sido comparativamente raras nos últimos meses, e as forças aliadas a Assad lançaram diversas ofensivas bem-sucedidas no centro do país.

Mais de 100 mil foram mortos desde o início do conflito na Síria em março de 2011. Depois que os partidários da oposição passaram a pegar em armas para enfrentar a repressão brutal do governo, o conflito escalonou para uma sangrenta guerra civil.

Com AP

Leia tudo sobre: síriaaleppoassadmundo árabeprimavera árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas