Partidários e oponentes de líder deposto protagonizam protestos rivais no Egito

Reuters

Homem é ferido durante confronto no Egito
AP
Homem é ferido durante confronto no Egito

O Ministério da Saúde do Egito afirmou que ao menos 65 pessoas foram mortas neste sábado (27), quando forças de segurança abriram fogo contra um protesto de partidários do presidente deposto Mohamed Morsi no Cairo.

Leia também:

Partidários e oponentes de líder deposto protagonizam protestos rivais no Egito
Detenção: Egito acusa Morsi de conspirar com Hamas em fuga em 2011

"Eles não estão atirando para ferir, estão atirando para matar", afirmou o porta-voz da Irmandade Muçulmana Gehad El-Haddad. "Os ferimentos de balas foram na cabeça e no peito".

A violência emergiu em meio a uma vigília de partidários de Morsi, que foi deposto por militares egípcios após protestos contra seu primeiro ano no poder.

O canal televisivo egípcio Al Jazeera mostrou médicos tentando reviver vítimas que chegavam a um hospital temporário montado pela Irmandade em Rabaa al-Adawiya, uma mesquita no nordeste do Cairo.

El-Haddad disse que a polícia começou a atirar repetidamente gás lacrimogêneo nos manifestantes em uma estrada perto da mesquita.

O derramamento de sangue ocorreu um dia depois de partidários e oponentes de Morsi organizarem manifestações em massa pelo Egito, trazendo centenas de milhares de pessoas para as ruas e estabelecendo profundas divisões no país mais populoso do mundo árabe.

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Mais de 200 pessoas morreram em meio à violência desde a derrubada de Morsi, a maioria partidários da Irmandade.

As forças de segurança não se pronunciaram.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.