Medida aprovada por Obama é a 1ª ação direta após queda no dia 3. EUA ainda revisam auxílio militar geral ao país

Os EUA estão atrasando a entrega de quatro caças de combate F-16 ao Egito após a deposição do presidente islamita Mohammed Morsi , mas ainda não decidiu se suspenderá o auxílio militar mais amplamente, disse o Pentágono nesta quarta-feira.

Dia 8: Cortar ajuda ao Egito não é do interesse dos EUA, diz Casa Branca

Jatos F-16 são vistos alinhados em South Burlington, Vermont, EUA (13/04/2010)
AP
Jatos F-16 são vistos alinhados em South Burlington, Vermont, EUA (13/04/2010)

Dia 3: Obama ordena revisão de auxílio ao Egito após deposição de Morsi

O assessor de imprensa do Pentágono, George Little, disse que o presidente Barack Obama tomou a decisão de segurar a entrega dos F-16 enquanto seu governo continua a rever as opções e consultar o Congresso sobre a assistência militar em geral.

Os quatro caças seriam entregues sob uma venda previamente arranjada de 20. Oito deles foram entregues em janeiro. Depois dos quatro originalmente previstos para ser fornecidos neste mês, os oito últimos seriam enviados no fim deste ano.

Ministros: Novo gabinete é empossado após deposição de Morsi

Posse: Presidente interino do Egito assume após Exército depor Morsi

O atraso foi a primeira ação direta dos EUA desde que o Exército egípcio depôs Morsi e instalou um novo governo civil no lugar . Sob a lei americana, o auxílio militar a país que passou por um golpe deve ser suspenso. Mas o governo Obama diz que ainda tenta determinar se o que aconteceu há três semanas foi um golpe militar. O Egito é um aliado-chave no Oriente Médio, e a administração americana reluta em cortar o pacote de auxílio de US$ 1,3 bilhão que envia ao Cairo anualmente.

Dia 14: ElBaradei toma posse como vice-presidente do Egito

Little disse que o ministro da Defesa ameriano, Chuck Hagel, telefonou para o chefe do Exército egípcio, general Abdel-Fattah el-Sissi, nesta quarta para discutir a decisão de Washington.

Sissi: Chefe do Exército convoca protestos contra 'violência' e 'terrorismo' 

"Permanecemos comprometidos com a relação de defesa entre Egito e EUA já que ela ainda é uma fundamento de nossa parceria estratégica mais ampla com o Egito e serve como um pilar para a estabilidade regional", disse Little.

"Tudo o que fazemos e dizemos continuará a ser centrado em fazer com que o Egito retorne a um governo democraticamente eleito assim que possível", acrescentou.

Líder deposto detido: Família Morsi acusa Exército egípcio de sequestro

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Segundo o porta-voz, o Pentágono decidiu prosseguir como planejado com um exercício militar conjunto chamado de Estrela Brilhante, que é uma peça central das relações militares dos dois países há décadas. O Estrela Brilhante é realizado um ano sim outro não, mas as manobras de 2011 foram canceladas depois da revolta popular que depôs o presidente Hosni Mubarak em fevereiro. O planejamento para a versão deste ano começou em 2012.

Análise: Crise no Egito preocupa outros países do instável Oriente Médio

Little informou que não há nenhum cronograma para manter a entrega dos quatro caças sob uma venda previamente acertada ao Egito, e ele não especificou as razões para atrasá-la.

"Considerando a situação geral no Egito agora, avaliamos que seria prudente tomar essa decisão", disse, acrescentando que a decisão final foi do presidente Obama.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.