Abdel-Fattah el-Sissi disse que um alto comparecimento em protestos na sexta-feira daria a ele um 'mandato'

O chefe do Exército do Egito, Abdel-Fattah el-Sissi, pediu que sejam realizados protestos em todo o país na sexta-feira (26) para dar apoio aos militares para que eles confrontem a "violência" e o "terrorismo" no país após a deposição do presidente islamita Mohammed Morsi .

Violência: Dois dias de confrontos violentos deixam 11 mortos no Egito

Ministro da Defesa do Egito, general Abdel-Fattah el-Sissi, faz discurso televisionado a partir do Cairo, Egito
AP
Ministro da Defesa do Egito, general Abdel-Fattah el-Sissi, faz discurso televisionado a partir do Cairo, Egito

Líder deposto detido: Família Morsi acusa Exército egípcio de sequestro

Em um discurso proferido nesta quarta-feira (24) em uma cerimônia de formação militar, Sissi pediu aos egípcios que tomem as ruas na sexta-feira, dizendo que um massivo comparecimento daria a ele um "mandato" e uma "ordem" para fazer o que for "necessário" para combater o derramamento de sangue que deixou dezenas de mortos desde que o Exército depôs Morsi há três semanas.

Dia 16: Presidente interino empossa novo gabinete após deposição de Morsi

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Sissi também negou acusações de que tenha traído Morsi e prometeu seguir o calendário político estabelecido para uma reforma constitucional e a realização de novas eleições em até seis meses.

Ele disse que o apelo por protestos na sexta-feira não é uma convocação à violência e expressou apoio aos esforços por uma reconciliação nacional. "Na sexta, todo egípcio honesto e honorável deve sair de casa. Sair de casa e mostrar ao mundo todo que temos nossa própria vontade e determinação", disse Sissi. "Por favor, coloque sua responsabilidade em mim, no Exército e na polícia e mostre seu tamanho e sua firmeza diante do que está acontecendo." 

Leia também: Entenda o que é a Irmandade Muçulmana

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre o Mundo Árabe

Desde a deposição de Morsi, houve um escalonamento nos ataques de militantes islamitas contra as forças de segurança na Península do Sinai. Também houve confrontos mortais entre opositores e partidários de Morsi que deixaram dezenas de mortos e provocaram preocupação de que a violência poderia ficar fora de controle.

A deposição de Morsi veio após dias de protestos em massa que contaram com a presença de milhões de egípcios exigindo sua saída do poder. Partidários do presidente insistem que ele deve ser restabelecido, e caracterizam  sua retirada como um golpe contra a democracia. 

Análise: Crise no Egito preocupa outros países do instável Oriente Médio

O ex-presidente egípcio foi o primeiro líder democraticamente eleito no país, mas seus opositores o acusavam de concentrar muito poder em suas próprias mãos e em seu grupo islâmico, a Irmandade Muçulmana .

Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.