Entenda o que é a Irmandade Muçulmana

Por Luciana Alvarez -especial para o iG |

compartilhe

Tamanho do texto

Movimento fundado no Egito em 1928 atua em diversos países do mundo árabe e defende adoção de lei islâmica

AP
Imagem de Hassan al-Banna, fundador do grupo Irmandade Muçulmana, é veiculada na TV em café no Cairo, Egito (03/09/2010)

A Irmandade Muçulmana é um grupo político e religioso que atua em diversos países do Oriente Médio, Ásia e África, defendendo que as regras do islamismo sirvam não apenas para ditar a forma de vida dos fiéis, mas também para guiar a sociedade e o Estado. Além de lutar para estabelecer a sharia (leis do islamismo) como base para governos, a Irmandade Muçulmana também tem o objetivo de unificar os países de população muçulmana.

Dia 3: Exército do Egito depõe islamita Morsi e suspende Constituição

O slogan inicial do movimento na época de sua criação era “o islamismo é a solução”. Muitos analistas consideram a Irmandade como a precursora do islamismo militante moderno.

Ela tem origem na mesma seita islâmica radical wahabita, sunita, base da sociedade da Arábia Saudita e que inspirou a milícia islâmica do Taleban (que atua no Afeganistão e Paquistão) e a rede terrorista Al-Qaeda.

Fundada no Egito em 1928 por um professor chamado Hassan al-Banna, a Irmandade tinha como objetivo libertar o país do controle colonial britânico e de todas as influências ocidentais, que eram consideradas “corruptoras”. No Egito, portanto, embora não seja ela mesma um partido político, a Irmandade é o mais antigo grupo de oposição, contando com amplo apoio da classe média.

PJL: Partido da Irmandade Muçulmana é legalizado no Egito

Banida durante a maioria das décadas desde seus 85 anos de existência, a Irmandade concorreu em eleições legislativas do Egito por meio de candidatos independentes ou com alianças a outros partidos. O braço político do grupo, o Partido da Justiça e da Liberdade, veio a ser legalizado no Egito depois do levante população que forçou a queda de Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011.

Especial 2011: Egípcios defendem papel político para Irmandade Muçulmana

Desde os anos 1970, o grupo rejeita oficialmente todo o tipo de violência e se classifica como “democrático”. No entanto, braços da Irmandade estiveram ligados a uma série de ataques no Oriente Médio até então e ainda hoje ela é acusada de incitar a violência. Recentemente o movimento foi banido na Rússia, onde é classificado como “grupo terrorista”.

AP
Partidária segura pôster do presidente deposto Mohammed Morsi no qual se lê 'Sissi traidor', em referência ao chefe do Exército, em marcha em Nasser (04/07)

O caráter religioso, que está no centro do poder do movimento (pois conta com amplo apoio dos muçulmanos), é também o principal foco de críticas à Irmandade. “Nos últimos séculos, Estados em todo o mundo têm buscado a laicização. A Irmandade vai no sentido oposto. O grande problema disso é o temor dos grupos minoritários, como os cristãos no Egito, de que um governo assim possa acabar levando a uma perseguição contra os não islâmicos”, afirmou ao iG Marcus Vinicius de Freitas, coordenador do curso de Relações Internacionais da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap).

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

Segundo Freitas, a derrubada do presidente do Egito Mohammed Morsi, que pertence à Irmandade Muçulmana, pode implicar numa perda de poder do movimento nos demais locais onde atua. “O Egito é o país mais populoso do Oriente Médio, um parâmetro econômico e cultural para toda a região. O fato demonstra que o projeto de poder da Irmandade não foi tão bem aceito como seus membros esperavam”, afirmou.

*Com BBC

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas