Irmandade Muçulmana convoca rebelião contra Exército, que diz ter agido em resposta à ação de 'terroristas'

Confrontos de soldados e policiais contra islamitas deixaram 54 mortos nesta segunda-feira no Cairo, incluindo 51 manifestantes e três membros das forças de segurança, disseram autoridades e testemunhas, em meio a uma crise política depois da deposição do presidente islamita Mohammed Morsi . Em resposta à violência, a Irmandade Muçulmana, de Morsi, convocou uma rebelião completa contra o Exército . Os confrontos também deixaram 435 feridos.

Quarta: Exército do Egito depõe islamita Morsi e suspende Constituição

Saiba mais: Entenda a crise que levou à queda de Morsi no Egito

Homem mostra camiseta ensanguentada de partidário do presidente deposto Mohammed Morsi do lado de fora de hospital no Cairo
AP
Homem mostra camiseta ensanguentada de partidário do presidente deposto Mohammed Morsi do lado de fora de hospital no Cairo

Domingo:  Adversários e partidários de Morsi tomam ruas de Cairo

Análise: Egito tenta evitar conflito civil após deposição de islamita Morsi

A carnifica do lado de fora do prédio da Guarda Republicana no distrito de Nars City, a leste da capital - onde Morsi ficou sob custódia logo depois de sua deposição no dia 3 -, marca o dia com maior número de mortos desde o início de protestos em massa que levaram à susbtituição do governo dele por uma administração civil interina .

Seus partidários - muitos dos quais pertencem á Irmandade Muçulmana - estavam acampados no local. Eles dizem que o Exército realizou um golpe e que Morsi é seu presidente legítimo. Mesmo antes de todos os corpos serem contados, houve relatos conflitantes sobre como a violência começou. Os partidários de Morsi disseram que os soldados atacaram seu acampamento de manifestação sem terem sido provocadas, enquanto o Exército afirmou ter sido agredido primeiramente por atiradores.

Governo: ElBaradei deve ser nomeado vice-presidente interino do Egito

Entenda: Impasse político impede confirmação de ElBaradei como premiê

Depois da violência da manhã desta segunda-feira, o partido linha dura salafista Nour - que havia apoiado a queda de Morsi - disse que se retirava das negociações para escolher um primeiro-ministro interino , descrevendo o incidente como um "massacre".

Mesmo antes de todos os corpos serem contados, no dia com mais mortes desde o início da crise, houve relatos conflitantes sobre como a violência começou - com os partidários de Morsi dizendo que foi um ataque lançado sem provocação, enquanto o Exército afirmava terem sido agredidos primeiramente.

Badie: Líder da Irmandade Muçulmana promete pôr fim a 'regime militar'

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

A violência certamente dividirá ainda mais a Irmandade Muçulmana, que acusa o Exército de ter realizado um golpe contra a democracia, de seus oponentes, que alegam que Morsi manchou sua vitória eleitoral e traiu o espírito democrático da revolução da Primavera Árabe  - em que Hosni Mubarak foi deposto em 2011  - ao aumentar a presença da Irmandade no Estado.

Cerco: Exército do Egito reprime Irmandade Muçulmana após depor Morsi

Sucessão: Presidente interino do Egito assume após Exército depor Morsi

O Exército, que depôs Morsi em meio a protestos populares em massa, agora agora enfrenta pressões para impor rígidas medidas de segurança para evitar que o conflito saia do controle. Também terá de produzir provas convincentes para apoiar sua versão dos acontecimentos para não sofrer o que já surge com uma ofensiva de mídia da Irmandade para retratar o Exército como uma instituição brutal com pouca consideração pela vida humana ou pelos valores democráticos.

Poucas horas depois do ataque a tiros, o braço político da Irmandade Muçulmana conclamou todos os egípcios a se levantar contra o Exército, que acusou de empurrar o país para se tornar "uma nova Síria" - um referência à guerra civil que deixou mais de 93 mil mortos desde março de 2011.

Escalada: Irmandade pede rebelião após mortes e clérigo teme guerra civil

Ahmed Mohammed Ali, um porta-voz militar, disse que atiradores afiliados à Irmandade tentaram invadir o prédio antes no amanhecer, disparando munição real e lançando coquetéis molotov a partir da mesquita e dos telhados vizinhos.

Médico egípcio partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em hospital em Nassr City, Cairo (8/7)
AP
Médico egípcio partidário de presidente deposto Mohammed Morsi é visto em hospital em Nassr City, Cairo (8/7)

A estudante universitária Mirna el-Helbawi também relatou que atiradores leais a Morsi abriram fogo primeiro, incluindo a partir do telhado de uma mesquita vizinha. El-Helbawi, 21, vive em um apartamento em que tem uma visão do local.

Partidários de Morsi, porém, disseram que as forças de segurança dispararam contra centenas de manifestantes, incluindo mulheres e crianças, que estavam no acampamento do lado de fora do local. "Eles abriram fogo com munição real e usaram gás lacrimogêneo", disse Al-Shaimaa Younes, que estava no acampamento. "Houve pânico e as pessoas começaram a correr. Vi pessoas caírem."

EUA: Obama ordena revisão de auxílio ao Egito após deposição de Morsi

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a Primavera Árabe

Qualquer que seja o desencadeador da violência, a escalada do caos complicará ainda mais as relações do Egito com Washington e outros aliados ocidentais, que agora reavaliam suas políticas em relação ao grupo apoiado pelo Exército que forçou a saída de Morsi.

*Com AP e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.