Há cerca de 600 europeus lutando com a oposição, e muitos deles são de famílias cristãs convertidos ao Islã

BBC

As histórias de jovens belgas que vêm se unindo às forças rebeldes na Síria , reveladas quase que diariamente pelos jornais locais, estão colocando em evidência a diversificação no perfil dos combatentes europeus exportados a uma guerra estrangeira.

Drama: Filho de brasileira deixa Bélgica para lutar na guerra civil da Síria

Jean-Louis Denis é acusado de ajudar jovens belgas a se unir aos rebeldes sírios
Márcia Bizzotto
Jean-Louis Denis é acusado de ajudar jovens belgas a se unir aos rebeldes sírios

NYT: Sedentos por armas, rebeldes sírios fabricam morteiros improvisados

O Ministério de Interior da Bélgica estima que, em meio aos cerca de 600 europeus que lutam com as forças da oposição na Síria, haja entre 80 e 100 belgas, dos quais nove teriam regressado e estão sendo investigados por suspeita de ligações com movimentos extremistas.

"Em todas as guerras se recrutam estrangeiros. Foi assim no Afeganistão, no Golfo, na antiga Iugoslávia. A diferença agora, com a Síria, é que não se tratam de mercenários", afirmou Hamid Benichou, administrador do centro comunitário Bruxelles Espace Intercommunnautaire, em entrevista à BBC Brasil.

"A motivação passou a ser também humanitária, então eles (os combatentes estrangeiros) não se escondem, porque não são tão mal vistos pela comunidade. Combate-se um (regime considerado) tirano, como foi o caso na Líbia", explicou o líder comunitário, a quem as famílias de alguns jovens pediram ajuda.

Jovens ocidentais

Nos casos relatados pela imprensa belga, os protagonistas não são exclusivamente homens originários de famílias muçulmanas, com vínculos com a Síria ou a cultura local, recrutados por grandes grupos radicais.

G8: Encontro termina com cordial impasse sobre Síria

Muitos dos combatentes estrangeiros na Síria são jovens de famílias ocidentais católicas de classe média, que optaram pelo Islã e decidiram ir por conta própria ao país árabe, alguns para defender ideias religiosas radicais, mas muitos deles com a convicção de ajudar uma população oprimida.

Foi o que argumentou com seus familiares Sean, 23 anos, cuja morte em combate em meados de março levou os pais a revelar sua história à imprensa, incentivando uma série de outros depoimentos similares, com a esperança de pressionar as autoridades a agir.

Rússia: Moscou não vai permitir zona de exclusão aérea na Síria

Em poucos meses a Bélgica conheceu as histórias de Sammy, 23 anos, Bilal, 15 anos, Jejoen, 18 anos, e Brian, 19 anos, filho de mãe brasileira e pai belga. Há também Zacharia e Ismail, dois irmãos marroquinos de 23 e 16 anos, descritos pela família como muçulmanos moderados e estudantes aplicados, que embarcaram para a Turquia no começo do ano, com três meses de intervalo.

Chamado de Alá

"Hoje em dia é fácil ter dinheiro para comprar uma passagem e pegar um avião para a Turquia. Ninguém precisa passar por uma fileira de recrutamento", afirmou à BBC Brasil Jean-Louis Denis, um belga convertido ao Islã, acusado de ter incentivado Sean, Sammy e Zacharia a unir-se aos rebeldes sírios.

"Quando os conheci eles já tinham convicções, já tinham ouvido o chamado de Alá. Eles queriam ajudar. Por que não ajudariam os órfãos e as mulheres que são estupradas pelo Exército sírio?", disse.

Autoridades: Obama autoriza envio de ajuda militar a rebeldes sírios

Denis está sendo investigado pela polícia belga por suspeita de pertencer ao grupo radical Sharia4Belgium e pelo discurso extremista que prega à frente do Resto do Tawhid, uma associação que criou para distribuir comida aos necessitados em Bruxelas.

A iniciativa foi proibida quando surgiram as suspeitas de que Denis se utilizou dela para recrutar Sean, Sammy e Zacharia. Para as autoridades europeias e belgas que alertam para a ameaça que representa o regresso à UE de jovens como eles, Denis adverte: "Em geral, quem vai para lá vai para morrer como mártir, não vai pensando em voltar. Um verdadeiro muçulmano não tem medo da morte. Ele ama a morte como você ama a vida."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.