Conheça Adly Mansour, que assumiu como presidente interino do Egito

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Nomeação de chefe de Justiça ocorreu na quarta, após deposição de islamita Morsi pelas Forças Armadas egípcias

BBC

O chefe da Suprema Corte Constitucional do Egito, Adly Mahmud Mansour, tomou posse nesta quinta-feira como presidente interino do país. A nomeação de Mansour ocorreu na noite de quarta-feira, depois que o Exército anunciou a deposição do presidente Mohammed Morsi, que está sob prisão domiciliar.

Anúncio: Exército do Egito depõe islamita Morsi e suspende Constituição

Reuters
Adly Mansour participa de sua cerimônia de posse como presidente interino do Egito

Sucessão: Presidente interino do Egito assume após deposição de Morsi

Cerco: Promotoria do Egito ordena prisão de principal líder da Irmandade

Apesar de a Constituição prever que o vice-presidente deve assumir no caso de vácuo no poder, as Forças Armadas haviam alertado em 1º de julho que interviriam caso Morsi não resolvesse o impasse político.

De domingo até quarta, uma multidão tomou as ruas das principais cidades do país pedindo a renúncia do presidente, eleito há um ano. Ao declarar a derrubada do governo, o general Abdul Fattah al-Sissi também anunciou a suspensão da Constituição e afirmou que Mansour ficaria no poder até a realização de novas eleições.

Cronologia: Entenda a crise que levou à queda de Morsi no Egito

Tendo exercido o cargo de vice-presidente da corte de Justiça desde 1992, ele foi apontado presidente da Casa em maio de 2013 e assumiu no dia 1º, dias antes da queda de Morsi. O portal de notícias egípcio Masrawi descreve Mansour como um "homem misterioso, pouco popular entre os meios de comunicação".

Festejos no Twitter

Nascido no Cairo em 1945, ele se formou em Direito em 1967 e integrou o conselho estatal em 1970, ganhando posições até ser apontado vice-presidente da Suprema Corte em 1992.

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

No ano passado, liderou as audiências na Corte que derrubaram a lei de "isolamento político" que proibia membros do velho regime de participar de eleições.

Graças a mudanças na lei, o ex-premiê Ahmed Shafiq, do governo do ex-presidente Hosni Mubarak, deposto em 2011, pôde participar da eleição no ano passado.

Reação: Oposição celebra queda de Morsi; partidários rejeitam 'governo militar'

O nome de Mansour emergiu como um possível líder do Egito em 30 de junho, primeiro dia de protestos contra Morsi. Na ocasião, um grupo denominado Al-Sha'ab Yureed (A demanda do povo) distribuiu uma petição entre os manifestantes pedindo a formação de um conselho presidencial para comandar o país, listando Mansour como possível membro.

Menina egípcia segura cartaz de durante protesto pró-Morsi neste domingo (7). Foto: APEgípcias choram durante enterro de oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi, que foram mortos durante confrontos no Cairo (6/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi gritam slogans perto da Universidade do Cairo em Giza, Egito (6/7). Foto: APPartidária do presidente deposto Mohammed Morsi segura no Cairo retrato em que se leem: 'legitimidade é uma linha vermelha' e 'saia Sissi, Morsi é meu presidente' (6/7). Foto: APManifestantes contrários ao presidente deposto Mohammed Morsi arremessam pedras durante confrontos com membros da Irmandade e partidários de Morsi no Cairo (5/7). Foto: ReutersPartidários e oponentes do presidente deposto Mohammed Morsi entram em confronto na ponte 6 de Outubro, perto de Maspero, Cairo (5/7). Foto: APManifestantes islâmicos, um deles com o retrato do presidente deposto Mohammed Morsi, mostram mãos sujas de sangue após disparos do Exército no Cairo (5/7). Foto: APManifestantes que apoiam o presidente deposto Mohammed Morsi correm em meio ao gás lacrimogêneo lançado pelas forças de segurança no Cairo (5/7). Foto: ReutersPartidários de Mohammed Morsi reagem a uma explosão de origem desconhecida e jogam pedras em delegacias durante protesto perto da Universidade do Cairo (5/7). Foto: APSeguidor do presidente deposto do Egito Mohammed Morsi reza antes de manifestação perto da Universidade do Cairo (5/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi gritam perto da praça da mesquita de Raba El-Adwyia, no Cairo (5/7). Foto: ReutersPartidária segura pôster do presidente deposto Mohammed Morsi no qual se lê 'Sissi traidor', em referência ao chefe do Exército, em marcha em Nasser (4/7). Foto: APPartidários do presidente deposto Mohammed Morsi participam de manifestação perto da Universidade do Cairo, Egito (4/7). Foto: APMembro da Irmandade Muçulmana e partidários de presidente deposto Mohammed Morsi protestam na praça da Mesquita Raba El-Adwyia no Cairo (4/7). Foto: ReutersMembros da Irmandade Muçulmana e partidários de presidente deposto Mohammed Morsi protestam durante cerimônia de posse de líder interino no Cairo (4/7). Foto: ReutersSoldados egípcios são posicionados perto da Universidade do Cairo, onde milhares de partidários da Irmandade Muçulmana estão reunidos (3/7). Foto: APPartidária do presidente deposto Mohammed Morsi chora agarrada a seu retrato após anúncio de Exército egípcio (3/7). Foto: APFogos de artifício clareiam o céu enquanto milhares celebram queda de Morsi na Praça Tahrir, no Cairo (3/7). Foto: APManifestantes egípcios gritam palavras de ordem contra Mohammed Morsi na Praça Tahrir, no Cairo (3/7). Foto: APOpositores do presidente islâmico egípcio, Mohammed Morsi, celebram ultimato do Exército do lado de fora do palácio presidencial no Cairo (3/7). Foto: APOpositores do presidente deposto do Egito celebram do lado de fora do palácio presidencial no Cairo (3/7). Foto: APFogos de artifício iluminam céu do Egito do lado de fora do palácio presidencial no Cairo (3/7). Foto: APFogos de artifício iluminam o céu após Exército do Egito anunciar a queda do governo de Mohammed Morsi do lado de fora do palácio presidencial no Cairo (3/7). Foto: APReprodução de vídeo mostra general Abdel-Fattah el-Sissi durante discurso à nação na TV estatal egípcia (3/7). Foto: APMilitar em tanque avança em torno de partidários do líder islâmico do Egito, Mohammed Morsi, em Nasser, Cairo (3/7). Foto: APEgípcio agita bandeira nacional enquanto militares cercam partidários do presidente islâmico, Mohammed Morsi, em Nasser, Cairo (3/7). Foto: APForças militares especiais marcham em torno de partidários do líder islâmico, Mohammed Morsi, em Nasser, Cairo (3/7)
. Foto: APManifestante contrário ao presidente egípcio, Mohamed Morsi, agita bandeira nacional na Praça Tahrir no Cairo (3/7). Foto: ReutersOpositores ao presidente Mohammed Morsi colocam enorme bandeira egípcia em volta do palácio presidencial no Cairo (3/7). Foto: APPartidários do presidente egípcio, Mohamed Morsi, seguram fotografias suas durante protesto na praça da mesquita Raba El-Adwyia (3/7). Foto: ReutersDois manifestantes se abraçam durante protesto contra presidente egípcio, Mohammed Morsi, na Praça Tahrir, no Cairo (3/7). Foto: ReutersPartidários do presidente egípcio seguram fotografias de Mohammed Morsi do lado de fora da Universidade do Cairo (3/7). Foto: ReutersManifestantes contrários ao presidente egípcio, Mohamed Mursi, se reúnem na Praça Tahrir, no Cairo (3/7). Foto: ReutersVista aérea mostra manifestantes contrários ao presidente egípcio, Mohammed Morsi, na Praça Tahrir, Cairo (3/7). Foto: ReutersOpositores do presidente do Egito, Mohammed Morsi, seguram grande bandeira do país durante protesto do lado de fora de palácio presidencial no Cairo (2/7). Foto: APVoluntários formam zona de segurança entre homens e mulheres para evitar ataques sexuais em protesto contra Morsi na Praça Tahrir, Cairo (2/7). Foto: APHelicóptero do Exército sobrevoa opositor ao presidente Mohammed Morsi enquanto ele agita bandeira do Egito na Praça Tahrir, Cairo (2/7). Foto: APPartidários de Mohammed Morsi seguram escudos improvisados em frente à mesquita Rabia el-Adawiya, perto do palácio presidencial, no Cairo (2/7). Foto: APMulher egípcia grita enquanto manifestantes invadem a sede da Irmandade Muçulmana no distrito de Muqattam, Cairo (1/7). Foto: APEgípcias comemoram ultimato de 48 horas dado por Exército ao presidente Mohammed Morsi e aos líderes da oposição no Cairo (1/7). Foto: APPartidários de President Mohammed Morsi fazem manifestação em Nasr, Cairo (30/6). Foto: APOpositora segura cartaz no qual lê-se: 'Tamarod: o fim da Irmandade Muçulmana' (30/6). Foto: APManifestantes egípcios se reúnem na Praça Tahrir durante manifestação contra presidente Mohammed Morsi (30/6). Foto: APOpositor agita tampas de panelas com os dizeres: 'Saia' (30/6). Foto: APManifestante segura cartão vermelho com a palavra: 'Saia' (28/6). Foto: APManifestante egípcia mostra palma da mão pintada com as cores da bandeira e em que se lê 'Egito' em protesto no Cairo (28/6). Foto: APManifestantes partidários do presidente Mohammed Morsi fazem marcha em Cairo (28/6). Foto: Reuters

Vários usuários do Twitter publicaram posts festejando o anúncio de Mansour para presidente interino. Para muitos, sua nomeação era um fato consumado. Em entrevista ao portal de notícias Al-Ahram Al-Shabab, o juiz Hamid al-Jamal descreveu Mansour como um "homem calmo, que toma decisões equilibradas e que vai respeitar a vontade do povo egípcio".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas