Nomeação de chefe de Justiça ocorreu na quarta, após deposição de islamita Morsi pelas Forças Armadas egípcias

BBC

O chefe da Suprema Corte Constitucional do Egito, Adly Mahmud Mansour, tomou posse nesta quinta-feira como presidente interino do país. A nomeação de Mansour ocorreu na noite de quarta-feira, depois que o Exército anunciou a deposição do presidente Mohammed Morsi , que está sob prisão domiciliar.

Anúncio: Exército do Egito depõe islamita Morsi e suspende Constituição

Adly Mansour participa de sua cerimônia de posse como presidente interino do Egito
Reuters
Adly Mansour participa de sua cerimônia de posse como presidente interino do Egito

Sucessão: Presidente interino do Egito assume após deposição de Morsi

Cerco:  Promotoria do Egito ordena prisão de principal líder da Irmandade

Apesar de a Constituição prever que o vice-presidente deve assumir no caso de vácuo no poder, as Forças Armadas haviam alertado em 1º de julho que interviriam caso Morsi não resolvesse o impasse político.

De domingo até quarta, uma multidão tomou as ruas das principais cidades do país pedindo a renúncia do presidente, eleito há um ano . Ao declarar a derrubada do governo, o general Abdul Fattah al-Sissi também anunciou a suspensão da Constituição e afirmou que Mansour ficaria no poder até a realização de novas eleições.

Cronologia: Entenda a crise que levou à queda de Morsi no Egito

Tendo exercido o cargo de vice-presidente da corte de Justiça desde 1992, ele foi apontado presidente da Casa em maio de 2013 e assumiu no dia 1º, dias antes da queda de Morsi. O portal de notícias egípcio Masrawi descreve Mansour como um "homem misterioso, pouco popular entre os meios de comunicação".

Festejos no Twitter

Nascido no Cairo em 1945, ele se formou em Direito em 1967 e integrou o conselho estatal em 1970, ganhando posições até ser apontado vice-presidente da Suprema Corte em 1992.

Golpe no Egito: Leia todas as notícias sobre a queda de Morsi

No ano passado, liderou as audiências na Corte que derrubaram a lei de "isolamento político" que proibia membros do velho regime de participar de eleições.

Graças a mudanças na lei, o ex-premiê Ahmed Shafiq , do governo do ex-presidente Hosni Mubarak, deposto em 2011 , pôde participar da eleição no ano passado.

Reação: Oposição celebra queda de Morsi; partidários rejeitam 'governo militar'

O nome de Mansour emergiu como um possível líder do Egito em 30 de junho, primeiro dia de protestos contra Morsi . Na ocasião, um grupo denominado Al-Sha'ab Yureed (A demanda do povo) distribuiu uma petição entre os manifestantes pedindo a formação de um conselho presidencial para comandar o país, listando Mansour como possível membro.

Vários usuários do Twitter publicaram posts festejando o anúncio de Mansour para presidente interino. Para muitos, sua nomeação era um fato consumado. Em entrevista ao portal de notícias Al-Ahram Al-Shabab, o juiz Hamid al-Jamal descreveu Mansour como um "homem calmo, que toma decisões equilibradas e que vai respeitar a vontade do povo egípcio".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.