Após reunião no G8, presidente da Rússia diz que discorda de Obama sobre Síria

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar disso, os dois líderes afirmam que EUA e Rússia têm o interesse comum de parar a violência que assola o país árabe há mais de dois anos

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira ao presidente dos EUA, Barack Obama, que suas posições sobre a Síria "não coincidem", mas os dois líderes disseram durante o encontro do G8 que têm o interesse comum em parar a violência que assola esse país do Oriente Médio durante uma guerra civil de mais de dois anos.

Chancelaria: Rússia diz que não vai permitir zona de exclusão aérea na Síria

AP
Presidentes dos EUA, Barack Obama, e da Rússia, Vladimir Putin, reúnem-se em Enniskillen, Irlanda do Norte, para discutir Síria paralelamente ao G8

Obama reconheceu em um encontro bilateral com Putin na Irlanda do Norte que eles têm uma "perspectiva diferente" sobre a Síria, mas afirmou que os dois querem abordar os duros combates e manter em segurança os arsenais de armas químicas no país. O líder americano disse que ambos trabalhariam para possibilitar negociações em Genebra com o objetivo de pôr fim à sangrenta guerra civil no país.

"Realmente temos perspectivas diferentes sobre o problema, mas compartilhamos um interesse em reduzir a violência, manter a segurança das armas químicas para que não sejam usadas nem sujeitas à proliferação", disse Obama. "Queremos solucionar a questão por meios políticos, se possível."

Comunicado: EUA confirmam uso de armas químicas por forças de Assad na Síria

Após armas químicas: Obama aprova envio de ajuda militar a rebeldes sírios

Putin disse "que claramente nossas opiniões não coincidem, mas todos nós temos a intenção de parar a violência na Síria e o crescimento do número de vítimas e de solucionar a situação pacificamente, incluindo trazer as partes para a mesa de negociações em Genebra. Concordamos em pressionar as partes à mesa de negociações."

ONU: Número de mortos em conflito na Síria chega a 93 mil

Enquanto Putin pediu por negociações pacíficas, não conclamou o presidente sírio, Bashar al-Assad, a deixar o poder, e continua como um dos mais fortes aliados políticos e militares do líder sírio. A Casa Branca não esperava qualquer avanço com Putin sobre a Síria durante o encontro do G8 em um resort à beira de um lago perto de Enniskillen, e a reunião deixou ainda mais em destaque a divisão entre os dois países sobre como lidar com a violência no país.

Obama anunciou na sexta que os EUA começariam a enviar armas, enquanto o Reino Unido e a França continuaram preocupados que o poder de fogo poderia acabar ajudando extremistas antidemocráticos vinculados ao Irã e ao grupo xiita libanês Hezbollah. Putin defendeu que a Rússia continue fornecendo armas ao Exército de Assad.

NYT: Rússia envia mísseis avançados em apoio a Assad na Síria

Dia 27: União Europeia levanta embargo de armas contra rebeldes sírios

Desde o início do conflito sírio, em março de 2011, ao menos 93 mil foram mortos, de acordo com a mais recente estimativa da ONU. Milhões foram desalojados.

A União Europeia permitiu também que um embargo de armas contra a Síria expire, permitindo aos membros do bloco de 27 nações que arme os rebeldes. A França e o Reino Unido se encaminham a essa direção, mas a Alemanha se opõe à medida.

Governo sírio: Alegações dos EUA sobre uso de armas químicas são 'mentiras'

Assad alertou que a Europa "pagará um preço" se entregar armas aos rebeldes que tentam depor seu governo. Em uma entrevista ao diário alemão Frankfurter Allgemeine Runschau, Assad desconsiderou a afirmação do governo Obama de que a Síria usou armas químicas contra os rebeldes.

*Com AP

Leia tudo sobre: síriaassadrússiaeuaobamaputinprimavera árabemundo árabe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas