Número de mortos em conflito na Síria chega a 93 mil, diz ONU

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Nações Unidas, em média, mais de cinco mil foram mortos a cada mês desde julho; regiões de Damasco e Aleppo são as mais afetadas pela violência

Reuters

O número de mortos confirmadas na Síria chegou a 93 mil no final de abril, mas as estatísticas verdadeiras da violência, que já está em seu terceiro ano, podem ser muito maiores, informou o escritório de direitos humanos da ONU nesta quinta-feira (13).

Método: 'Manual de habilidades' ajuda a tratar crianças traumatizadas pela guerra

AP
Um combatente do Exército Livre da Síria descansa em uma pilha de sacos de areia no campo de refugiados de Yarmouk, perto de Damasco

US$ 5,2 bilhões: Guerra da Síria faz ONU lançar maior apelo humanitário da história

Em média, mais de cinco mil foram mortos a cada mês desde julho. As regiões de Damasco e Aleppo registraram os números mais altos da violência desde novembro, informou o órgão em seu mais recente relatório sobre as mortes confirmadas.

"Esse número extremamente alto de mortos, mês após mês, reflete a drástica deterioração do comportamento do conflito no último ano", disse a Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, em comunicado.

EUA: Acirramento de confronto na Síria coloca pressão sobre Washington

Conflito: Violência sectária visceral afasta chance de perdão nacional na Síria

O número anterior de mortos divulgado pela ONU em maio era de 80 mil no conflito, que começou como protestos pacíficos contra o presidente Bashar al-Assad em março de 2011 e se tornou uma rebelião alguns meses depois.

O número de mortos tem como base oito fontes, incluindo o governo sírio e o Observatório Sírio de Direitos Humanos, sediado no Reino Unido. As mortes só foram contabilizadas quando o nome da vítima, o local e a data da morte eram conhecidos.

Leia também: Número de refugiados sírios passa de 1,5 milhão, diz ONU

"Há também casos documentados de torturas e execuções de crianças e famílias inteiras, incluindo bebês - o que, juntamente com esse número devastador de mortos, é uma lembrança terrível de como esse conflito tornou-se cruel", disse Pillay.

Leia tudo sobre: mundo árabeprimavera árabesíriaonumorteguerra civilassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas