Exército da Síria anuncia recaptura de cidade estratégica

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Qusair, perto da fronteira com o Líbano, foi alvo de combates entre rebeldes e as tropas de Assad nas últimas semanas; segundo regime, cidade está 'purificada' e livre de 'terroristas'

O Exército da Síria anunciou nesta quarta-feira (5) que recapturou uma cidade estratégica, localizada perto da fronteira com o Líbano. No comunicado, as tropas afirmaram que haviam "purificado" Qusair e livrado o local dos "terroristas" que lutam contra as tropas do presidente Bashar al-Assad.

A cidade de Qusair, que estava dominada pelos rebeldes, foi palco de intensas batalhas nas últimas semanas. A captura dessa estratégica cidade solidifica algumas das recentes vitórias do regime no território, mudando o equilíbrio a favor de Assad na guerra civil do país, que dura dois anos.

19 de maio: Exército da Síria lança ofensiva perto da fronteira com Líbano

AP
Imagens divulgadas pela TV Al-Manar mostra tratores do Exército sírio limpando as ruas de Qusair


O anúncio é feito um dia depois de a França e o Reino Unido terem afirmado que houve uso de gás sarin no conflito sírio. Uma inquérito da ONU, também divulgado ontem, afirmava que havia "motivos razoáveis" para suspeitar do uso em pequena escala de produtos químicos tóxicos nos últimos quatro ataques em março e abril na Síria.

França: Testes confirmam uso de sarin na Síria. ONU aponta possível utilização

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre a Primavera Árabe

Os comunicados - que incluíam um caso confirmado de uso de sarin pelo regime sírio - deixaram questões sem respostas, muito por que as evidências foram levadas para fora da Síria a partir de amostras coletadas por médicos e jornalistas.

O Exército sírio se voltou contra os rebeldes intensamente nos últimos meses em batalhas por regiões estratégicas, fazendo avanços próximo à fronteira com o Líbano e consideravelmente reduzindo a ameaça para Damasco, onde fica o gabinete do governo Assad. Uma intensa ofensiva foi lançada em Qusair em 19 de maio.

Denúncias:
- Israel acusa governo Assad de usar armas químicas contra rebeldes sírios
- EUA suspeitam de uso de armas químicas por Síria
- Exames em sírios mostram sinais de uso de armas químicas, diz Turquia

A queda de Qusair representa um enorme golpe para a oposição. A cidade de maioria sunita servia de corredor para carregamentos de armas, combatentes e suprimentos contrabandeados do Líbano para os rebeldes de dentro da Síria.

A cidade fica estrategicamente localizada entre Damasco, sede do governo Assad, e o coração alauíta perto da costa mediterrânea. Em um raro comunicado do Exército na rede estatal, o regime disse que restaurou "a paz e a segurança" em Qusair, caracterizando a ação como uma "mensagem clara a todos que estão participando dessa agressão contra a Síria".

Desafio: Entenda métodos e empecilhos para identificar uso de armas químicas

O comunicado do Exército disse também que as tropas liberaram Qusair e vilarejos vizinhos no oeste do país dos "terroristas", termo que o regime utiliza para tratar os rebeldes que lutam para derrubar o governo Assad.

Afirmou também que um "grande número (de rebeldes) havia sido morto, outros se renderam e o resto escapou" após uma ofensiva decisiva dentro da cidade na noite de terça-feira.

Suspeita-se que a Síria possua um dos maiores arsenais de armas químicas do mundo, incluindo gás mostarda e sarin. Nos últimos meses, o regime e os opositores trocaram acusações sobre o uso desses armamentos, mas nenhum dos dois lados ofereceu provas sólidas.

Março: Síria e rebeldes trocam acusações de 'ataque químico'

No Ocidente, essa falta de certeza provoca um intenso debate sobre se os EUA deveria se envolver mais no conflito sírio, inclusive armando os rebeldes. Mais de 70 mil foram mortos e mais de um milhão se refugiaram desde que o conflito sírio teve início há dois anos.

Imagens transmitidas na quarta-feira na Síria pela imprensa mostrava Qusair deserta, com diversos prédios destruídos. Tratores do Exército removiam lixo e limpavam as ruas. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos disse que Qusair ficou sob intensos bombardeios, forçando os rebeldes, com pouca munição, a se retirar. O Observatório estima que o número de feridos tenha chegado a mil.

Com AP

Leia tudo sobre: síriamundo árabeprimavera árabesarinqusairexércitoassad

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas